Terminou sem maiores consequências o cárcere privado de dois adolescentes, [VIDEO] um menino de 12 anos e uma menina de 14, que haviam sido feitos reféns pelo padrasto desde a manhã de segunda-feira (2), em Cafelândia, no interior do Paraná. Após quase 30 horas, eles foram libertados sem ferimentos e o acusado, de 39 anos, detido.

Ainda não se sabe o que levou o rapaz a manter os enteados como reféns. As vítimas ficaram amarradas e o homem estava armado com uma faca. Durante as negociações, sendo a maior parte delas feitas pela janela da casa onde estavam, o rapaz dizia que não iria se entregar e que também não queria nada em troca.

"Ele varia bastante o humor, às vezes ele tem picos de agressividade", disse o major Jorge Aparecido Fritola enquanto o sequestro ainda estava em andamento.

O homem convive com a mãe dos adolescentes há dez anos e tem uma filha com ela. A mãe dos garotos não estava em casa na hora que os filhos foram feitos reféns em razão de ter dormido na casa dos patrões, onde trabalha de diarista, e só ficou sabendo da situação quando o padrão do companheiro ligou para ela para saber a razão do rapaz não ter ido trabalhar.

A filha mais nova também não estava no imóvel e o pai da adolescente de 14 anos, que mora em Goioerê, no centro-oeste do estado, foi até o local acompanhar as negociações.

O tio do menino de 12 anos estranhou o fato dele não ter ido até a chapeação da família, onde é ajudante, e foi até sua casa ver o que estava acontecendo. Ao chegar no local, o padrasto disse que ele não sairia de casa. Os jovens também estavam sem acesso a telefone celular e televisão.

Por volta das 18h30 desta terça-feira (3), após mais de 24 horas de negociações, que se iniciaram às 15h do dia anterior, os adolescentes foram liberados.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

A operação contou com o apoio de mais de 40 policiais e com quatro negociadores do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), de Curitiba.

O acusado recebeu atendimento médico e depois foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Nova Aurora.

Problemas com drogas

A irmã do homem que manteve os enteados reféns disse que ele já havia tido problemas com álcool e drogas e que no ano passado havia se submetido a um tratamento. Ela disse ainda que ele tinha bom relacionamento com os adolescentes.

De acordo com a assistência social de Cafelândia, o rapaz ficou 45 dias internado em Londrina e posteriormente foi para uma clínica de recuperação em Campo Mourão, ambas as cidades no interior paranaense.

Todo o tratamento durou nove meses e ele foi liberado em janeiro passado e desde então vinha recebendo acompanhamento mensal, o qual não detectou nenhuma mudança em seu quadro.

Segundo a família, o homem trabalhava em uma empresa de construção civil da própria cidade.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo