O corpo da menina Heloá Pereira, de apenas 11 anos, que estava desaparecida desde a manhã da última quinta-feira (19), foi encontrado na noite desta sexta-feira (20), por um vizinho da vítima. Ele estava em uma fossa desativada, nos fundos da casa em que morava, na zona rural de Piedade, Região Metropolitana de Sorocaba, no interior de São Paulo. O buraco, que tinha o tamanho de um pequeno cômodo, estava coberto com pedaços de madeira.

De acordo com informações passada pela Polícia, o corpo estava seminu, com a vítima usando apenas camiseta. As outras peças de roupas estavam ao lado do corpo e a polícia irá investigar se houve crime sexual.

A garota tinha ferimentos de facada no tórax e nas costas, além de ferimentos na cabeça e sinais de abuso sexual. A vítima estava enrolada em um plástico, lençol e cobertor.

Morador encontrou o corpo da vítima

Um morador do bairro que passava pelo local decidiu verificar o que havia no buraco, de cerca de dois metros e meio de profundidade, e acabou se deparando com o corpo da vítima. De cima dava apenas para ver os dois joelhos da menina.

A área foi isolada até a chegada da perícia, que já de madrugada desceu para recolher o cadáver, que foi encaminhado do Instituto Médico Legal (IML) de Sorocaba, onde passaria por perícia ainda neste sábado (21). Os trabalhos foram acompanhados pelo pai da garota. Ainda durante a madrugada foram colhidos o depoimento de testemunhas.

A mãe da menina morreu há um ano e ela morava com o pai, Robson Pereira, de 36 anos, que é caminhoneiro. Durante toda a tarde de sexta-feira (20), ele prestou depoimento na delegacia e em nenhum momento caiu em contradição.

Heloá tinha outros três irmãos e ainda não existe informações sobre velório e sepultamento do corpo.

O desaparecimento

Como era rotineiro, o pai de Heloá deixou a filha dormindo sozinha em casa, na Vila Eraldino, zona rural da cidade, por volta das 6 da manhã da última quinta-feira (19), para ir carregar seu caminhão com verduras, que seriam levadas para São Paulo.

Ao retornar para casa, cerca de 30 minutos depois, ele se deparou com a porta da casa aberta não encontrou a filha e notou que ela só havia saído com a roupa do corpo, sem calçados e sem seu aparelho celular. Um cobertor estava caído ao lado da cama.

Robson começou a fazer buscas na casa de parentes e amigos para tentar saber do paradeiro da filha.

Em entrevista ao portal G1, ele contou que Heloá era uma menina tranquila e que não costumava sair sozinha. O local onde a menina morava é considerado tranquilo pelas pessoas que vivem no bairro.

Na ocasião, vizinhos disseram que viram um carro suspeito passando em frente a casa da menina perto do horário em que ocorreu o desaparecimento.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!