Uma criança de 10 anos grávida foi levada pelo pai até a cidade de Cruzeiro do Sul, no estado do Acre, para fazer um aborto, porém, ele desistiu de realizar a interrupção da gestação. Esse triste caso está sendo acompanhado de perto pelo Conselho Tutelar, pelo Tribunal de Justiça e pelo Ministério Público do Acre. A Polícia Civil de Tarauacá --município onde ocorreu o incidente-- está investigando o caso.

Convencimento do pai

Rafael Gomes, diretor da unidade de saúde que atendeu a menina, disse que mesmo o pai sendo orientado por uma equipe multidisciplinar, composta por psicóloga, médico ginecologista e assistente social, o responsável optou por desistir de fazer a retirada do feto.

A menor está grávida de 5 meses e não se sabe quem é o pai.

O diretor do hospital ainda acrescentou que a criança passou por vários exames médicos, nos quais foram diagnosticados que tanto ela quanto o bebê estariam com bom estado de saúde. Ele completa dizendo que toda assistência possível foi prestada. Agora a menina foi levada de volta à cidade de Tarauacá, onde terá que ter um acompanhamento até que complete 34 semanas de gestação.

Cesárea

Rafael, diretor da Maternidade que atendeu a menina, disse que, devido a menina ter pouca idade, o ideal é seja realizado uma cesárea para que o bebê seja retirado antes de completar 41 semanas.

A criança deverá voltar para a cidade de Cruzeiro do Sul com 34 semanas para fazer todo o procedimento cirúrgico para a retirada do recém-nascido. A cesárea é uma opção, nesse caso, porque gera menos riscos de vida para a mãe e para a criança, além trazer uma maior segurança para toda a equipe médica.

Conselho Tutelar

Antônio de Souza Castro (integrante do Conselho Tutelar de Tarauacá) relatou que o genitor da vítima teria concordado e assinado a autorização para procedimento do aborto.

Porém, o pai alega que foi forçado a assinar tal documento. O conselheiro informou que apenas o orientou sobre os riscos.

De acordo com o Conselho Tutelar a mãe da menor mora na cidade de Jordão, em um local de extração de seringueira. A menina sofre de epilepsia, necessitando de atendimento especial, como a cidade de Tarauacá não tem estrutura para oferecer esse atendimento a menina precisou ser encaminhada para a cidade de Cruzeiro do Sul.

Vereadora de Tarauacá

Esse caso teve repercussão com a denúncia de uma vereadora do município de Tarauacá, a vereadora chamada Janaína Furtado (Rede) revelou em uma rede social o que está acontecendo com a menina. Na rede social, a vereadora escreveu que após o nascimento da criança a Justiça vai realizar o exame de DNA para descobrir quem é o pai e ainda finalizou o post lamentando o caso e afirmando que acompanhará o desfecho da história.

Siga a página Maternidade
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!