Estima-se que a chuva de meteoros Lirídeos seja mais intensa na metade Norte do planeta Terra, no entanto, o fenômeno também poderá ser observado no Hemisfério Sul. De acordo com os cientistas, o evento pode ser visualizado até o dia 25 de abril de 2020. Segundo informações, o acontecimento teve início na última quinta-feira (16), com maior pico registrado por volta de 2h da madrugada desta quarta-feira (22).

No Brasil, a chuva de meteoros poderá ser visualizada melhor no Norte e Nordeste do país. O assunto acabou ficando de lado por conta da pandemia de coronavírus. Com isso, algumas regiões acabaram ficando com os céus mais limpos da poluição, o que acaba facilitando na visualização do fenômeno.

De acordo com o cronograma astronômico, essa ainda não é considerada a chuva de aerolitos mais brilhante já registrada, levando-se em consideração que a sua intensidade está baseada em +2. Isso significa que o cálculo astronômico está relacionado aos dados obtidos na última pesquisa realizada em 2019. Os pesquisadores explicam que a Lua Cheia visto do céu possui sua magnitude de -13. Por outro lado existem registros de outros meteoros muito mais brilhantes denominados de “bolas de fogo das Líridas”, estes aerólitos podem rasgar os céus deixando um vasta trilha de fumaça em seu trajeto.

Chuva de meteoro originária do cometa Thatcher

A chuva de meteoros Lirídeos, o nome é originário devido à constelação de Lira, ponto no espaço o qual é possível se observar melhor o fenômeno, no entanto, estes aerolitos provêm do cometa Thatcher, o qual mantém uma trajetória em torno do Sol, que para quem pretende acompanhar o fenômeno de perto, basta olhar para a direção norte próximo à estrela Vega, considerada o maior astro da constelação de Lira.

Com boas condições climáticas é possível observar de 10 a 15 aerólitos a cada hora, nas regiões sul esse número cai para 10 aerólitos por hora, explica o pesquisador Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos, em São Paulo.

Como acompanhar a chuva de meteoros Lirídeos

O evento pode ser observado a olho nu, entretanto, os pesquisadores explicam que o fenômeno pode ser observado melhor em localidades com baixa luminosidade.

Por outro lado é possível encontrar na internet softwares que podem auxiliar os telespectadores a visualizar melhor os meteoros. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) está disponibilizando para o público em geral o planisfério online da UFRGS.

Aplicativos para mapear a chuva de meteoros

Por meio de celular também é possível baixar os aplicativos como Sky Map, o Sky Safari 5, o Star Walk 2 e o Heavens-Above, no entanto, isso não trará resultados se o telespectador não demonstrar paciência para visualizar o evento.

Siga a página Ciência
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!