No último fim de semana, viralizou nas redes sociais o vídeo em que um padre faz duras críticas ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Além se referir ao atual morador do Palácio da Alvorada com adjetivos nada elogiosos, o padre também afirmou que quem votou em Bolsonaro deveria se confessar.

Adélio

O padre em questão se chama Edson Adélio Tagliaferro, ele é da Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores, em Artur Nogueira, interior de São Paulo. A fala do religioso foi proferida na última quinta-feira (2), mas viralizou na web alguns dias depois. No domingo (5), Edson Adélio afirmou que o trecho foi descontextualizado, mas não negou sua insatisfação com Jair Bolsonaro.

Na missa transmitida pela internet no domingo, o padre ao comentar sobre o vídeo que viralizou na web, disse que não é somente ele que não gosta do líder do Executivo, e sim o mundo inteiro. "O mundo não gosta dele. O mundo está preocupado e debochando do Brasil, por causa do nosso presidente", disse.

Edson Adélio Tagliaferro também afirmou que Jair Bolsonaro se trata de uma pessoa “desequilibrada”. Na opinião do padre, o presidente está mais preocupado com interesses pessoais e não se importa com as vítimas do novo coronavírus no país, que já são mais de 64 mil. Ele disse ainda que é apenas uma gota no oceano de tantas pessoas que tem criticado Bolsonaro no resto do mundo.

O padre afirmou que o vídeo está circulando pelas redes sociais com críticas ao Governo de Jair Bolsonaro e a sugestão que os eleitores do presidente devessem se confessar foi retirado de contexto.

O católico afirmou que estava se referindo ao profeta Amós, que prezava pela sinceridade e falava nomes sem nenhuma cerimônia.

Mesmo assim, o padre Edson afirmou que não é novidade para as pessoas que o conhecem pessoalmente que ele faz críticas ao tipo de pessoa que é Jair Bolsonaro e também ao tipo de governo do presidente.

Desde antes da eleição de Jair Bolsonaro, o padre disse que já fazia críticas ao político por Bolsonaro ser uma pessoa que prega a violência e que defende o uso de armas. O padre explicou que estava falando na homilia sobre profetismo e que chamou a atenção para que os cristãos se posicionassem claramente sobre o que Jesus prega e também sobre o populismo, o fascismo que é visto atualmente.

Então esta homilia foi editada e foi para a internet somente o trecho em que ele falou sobre Bolsonaro, o que acabou descontextualizando toda a sua fala, justificou o sacerdote. Na noite de domingo, o padre Edson divulgou uma nota em que esclarecia o que ele tinha dito. Na nota ele reforçou a descontextualização de sua fala, mas ressaltou que não é o primeiro a dar opiniões contundentes na internet.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!