De causas naturais, um morador de Santa Catarina e seu filho, que mora no Paraná, morreram no mesmo dia, com diferença de poucas horas. Segundo familiares, quando foram comunicar ao filho, Valdir Biff, sobre a morte do pai, Urivaldo Gnotti Biff, eles se depararam com o homem morto.

De acordo com informações passadas por Leucir Biff, irmão de Valdir, ao portal de notícias G1, ele tomou café com o irmão e seguiu para o trabalho. Depois de ser informado sobre a morte do patriarca dos dois, isso por volta das 11h, ele retornou para a casa, onde encontrou Valdir morto. Contudo, segundo Leucir, ele chegou a pensar de início que o irmão estava apenas dormindo.

Ao se aproximar, ele acabou se dando conta de que Valdir já estava morto. Leucir conta que, segundo a médica, Valdir foi vítima de um "infarto fulminante e morreu dormindo".

Urivaldo Biff, o pai, morreu no município de Joaçaba, Santa Catarina, e seu corpo foi levado até Pato Branco, onde foi velado e enterrado ao lado do filho no Cemitério Portal do Céu, nesta quarta-feira (30).

Irmão diz nunca ter ouvido caso parecido

Ainda para o portal G1, Leucir afirmou nunca ter ouvido nenhum relato semelhante ao que aconteceu com seu pai e irmão. Ressaltando que os dois morreram no mesmo dia em estados diferentes, Leucir afirma não saber “se tem algum mistério”. Leucir disse ainda que seu pai já estava há algum tempo em tratamento médico contra a diabetes, contudo, ressalta que o irmão não sofria de nenhuma doença e estava bem de Saúde.

'O nono veio buscar o filho', diz sobrinha e neta das vítimas

Também para o G1, Rosmare Dalponte, neta e sobrinha das vítimas, afirmou não ter acreditado ao receber a notícia de que o tio, assim como o avô, também tinha falecido. Ela conta que no sábado Valdir foi a sua casa e se mostrou feliz. Na terça-feira (29), ela diz que, 20 minutos depois de ter avisado Leucir sobre a morte do avô, ele retornou a ligação avisando da morte de Valdir.

"Foi um susto tão grande", disse Rosmare, que confessa ter achado de início que o tio estava apenas brincando.

Rosmare ainda contou ao portal que eles são católicos, por isso, acreditam que "o nono veio buscar o filho". Ainda de acordo com informações passadas pela família, os filhos não viam o pai há ao menos quatro meses por causa da pandemia, no entanto, ressalta que a relação entre eles era boa.

Dalponte diz que seu tio estava bem e não fazia o uso de nenhum medicamento, por isso, confessa que eles demoraram em acreditar na notícia. "É muito triste", diz ela, relatando ter restado uma sensação que não desejam a ninguém. Rosmare conta ainda que "perder uma pessoa já é difícil", mas perder duas "em menos de uma hora", é inexplicável.

Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!