Uma garota de 5 anos morreu na última segunda-feira (19) após ter sido espancada dento da casa onde vivia com a família no bairro Cidade Nova, em Vitória, no Espirito Santo. As informações foram divulgadas em primeira mão pelo portal G1.

De acordo com o laudo preliminar realizado pelo DML (Departamento Médico Legal) do município, a garota morreu vítima de violência. Elisnai Borges Eloy, de 35 anos, padrasto da menina, foi preso em flagrante como principal suspeito.

Segundo a Polícia Civil, na tarde de segunda-feira a mãe deixou Agatha Vitória Santos Godinho, de 5 anos, e seu irmão sob os cuidados do padrasto.

Momentos mais tarde, ela recebeu uma ligação da sua irmã, afirmando que, segundo Elisnai, a menina teria começado a passar mal após o almoço.

Sinais de espancamento

Logo após ter recebido a ligação da irmã, a mulher retornou para casa, aonde encontrou a menor de idade desacordada e logo a levou para o posto de atendimento da Eco-101, localizado às margens da BR-101. No local, assim que foi atendida os profissionais contataram que a menina não só já estava sem vida, como também que havia sinais claros de espancamentos em várias regiões do seu corpo, incluindo, cabeça, mãos e barriga.

O corpo da garota foi encaminhado ao DML. Durante o atendimento da Eco-101, o padrasto reafirmou que a enteada passou mal após o almoço.

Prisão do suspeito

Com a morte confirmada, os socorristas acionaram a Polícia Militar, que levou o padrasto da menina para a Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). No local, o suspeito se recusou a prestar novos esclarecimentos sobre o ocorrido, no entanto, devido ao resultado do laudo preliminar do DML apontando espancamento, Elisnai foi autuado pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima.

Nesta terça-feira (20) pela manhã, o padrasto foi levado até o DML, onde passaria por exames e depois seguiria para o presídio.

Padrasto é preso por matar enteada de 1 ano

No dia 14 de outubro, um homem teve sua prisão temporária decretada após, segundo informações passadas pela polícia, ter confessado o assassinato da enteada de 1 anos e quatro meses no interior de São Paulo.

O padrasto da vítima, Diogo da Silva Leite, morador de Pindamonhangaba, saiu com a menina para marcar consulta para um de seus irmãos na terça-feira (13), no entanto, ele seguiu de bicicleta até uma cidade vizinha de Taubaté. Em um acedo no distrito de Quirim, o suspeito ultrapassou uma cerca, caminhou por uma trilha na mata até o momento que parou e usou uma faca para matar a menina.

O corpo da pequena Maria Clara de Souza Galvão foi encontrado degolado na trilha. Os policiais foram conduzidos até o local do crime pelo próprio padrasto.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!