Os desenvolvimentos da enologia (estudo dos vinhos) e da gastronomia (estudo da Culinária) trouxeram boas novidades para as duas culturas. A primeira coisa para se ter em mente é que prato e vinho devem se complementar — ou seja, um não pode se sobrepor ao outro.

Daí, então, vem a pergunta:

“Qual carne, acompanhada de qual molho, harmoniza com qual vinho?”

Veja como fazer as combinações ideais:

1. Harmonizando de acordo com o tipo de carne

O tipo de vinho certo pode tornar um bom prato ainda mais delicioso.

Publicidade
Publicidade

Idade, estrutura e tipo de uva são as principais características a serem levadas em consideração.

1.1. Carnes vermelhas

Por terem um sabor mais acentuado, combinam com tintos de sabor igualmente acentuado e estruturado. Um bom exemplo são os vinhos de uva Cabernet, Malbec ou Syrah.

1.2. Aves

Para frangos, patos e perus a regra geralmente é a mesma: Carnes brancas pedem vinhos brancos. Geralmente, mas nem sempre. Vinhos rosés ou tintos leves também são ótimas alternativas.

Prato e vinho devem se complementar, sem um se sobrepor ao outro
Prato e vinho devem se complementar, sem um se sobrepor ao outro

1.3. Peixes e frutos do mar

Peixes, sushis e frutos do mar grelhados combinam com vinhos brancos maduros, de boa estrutura. Também são bem-vindos os frutados jovens ou levemente maduros. Alguns exemplos são os espumantes brut ou demi-sec, Cavas, Proseccos e rosés secos.

1.4. Suínos

Costumam ficar em um meio termo. As carnes de porco não têm o sabor marcante das vermelhas,mas tampouco a leveza das brancas. Por isso, pedem vinhos semelhantemente nem fortes nem suaves, como os tintos de uva Pinot Noir ou brancos de uva Riesling.

Publicidade

1.5. Charcutaria

Embutidos como salames e salsichas são muito gordurosos. Por isso, precisam do equilíbrio de vinhos mais suaves, como frisantes, espumantes ou algum tinto leve.

2. Harmonizando de acordo com o tipo de vinho

Suponhamos agora o contrário: A intenção é apreciar uma garrafa de vinho que se tem em casa e a dúvida é de qual prato preparar.

2.1. Vinhos tintos

São bem flexíveis e costumam combinar com todo tipo de carne. Malbec e Cabernet Sauvignon são itens quase obrigatórios na adega de um bom apreciador.

Vão muito bem com carne vermelha.

2.2. Tintos fortes

Aqui vai uma observação: é preciso ficar de olho no tanino do vinho! Tanino é aquela característica que dá a sensação de que o vinho “aperta” a boca. Vinhos tintos de tanino forte pedem uma carne de sabor marcante, como pato ou linguiça.

2.3. Tintos leves

Uma boa pedida seria preparar uma carne vermelha frita ou grelhada. Bacalhau com molho ou frango assado não seriam nada mal, também.

2.4. Rosés

Pedem carnes magras grelhadas, frango assado ou embutidos.

Publicidade

Atenção — eles não harmonizam com peixes cozidos, peixes magros grelhados ou carnes gordas!

2.5. Brancos

Combinam com peixes e frutos do mar e não caem bem com carnes vermelhas ou comidas muito temperadas.

2.6. Espumantes

São versáteis e harmonizam com vários pratos, principalmente peixes como salmão defumado, carnes gordas, frango ou pato assado.

3. Harmonizando de acordo com o tipo de molho

Algo muito importante a ser levado em conta quando se prepara um prato é o tipo de molho usado na carne.

Publicidade

Forte, suave, cremoso ou cítrico: Cada caldo, em uma carne diferente, vai pedir um vinho específico.

3.1. Carnes vermelhas com molho forte

Pede um vinho tinto maduro, de médio a bom corpo.

3.2. Carnes vermelhas com molho suave

Se o molho for mais leve, o vinho deve ser um tinto mais novo leve ou um espumante brut.

3.3. Carnes brancas com molho forte

Essa combinação pede um vinho tinto mais maduro de médio corpo a robusto.

3.4. Carnes brancas com molho suave

Se estiver temperada com um molho mais leve, boas pedidas podem ser: Espumante brut, branco seco de boa estrutura ou tinto jovem de leve a médio corpo.

3.5. Molhos ácidos e cítricos

O ideal é que ela seja acompanhada de um vinho branco igualmente ácido, como o Sauvignon Blanc.

As harmonizações descritas acima não são diretrizes obrigatórias, mas sim uma orientação dos especialistas para as melhores combinações possíveis. No fim das contas, o gosto pessoal sempre é a melhor opção!

Leia tudo e assista ao vídeo