A calvície rende milhões por ano, estudam indicam que em 2023 só o mercado do transplante capilar atingirá cerca de US$ 23,88 milhões (R$ 76,15 milhões). Isso, desconsiderando os valores gastos com tratamentos clínicos. De acordo com a International Society of Hair Restoration Surgery (ISHRS), houve um aumento de 76% nos procedimentos de transplante capilar em todo o mundo. Somente em 2014 foram realizados 1 milhão de procedimentos.

Apesar de não ser de hoje que as cirurgias estéticas são um grande atrativo financeiro, o caso do transplante capilar é singular porque existe uma técnica que não precisa de sutura (pontos cirúrgicos), o que abriu uma brecha para que não-médicos começassem a realizar a cirurgia.

Não é preciso ser muito inteligente para saber que cirurgia só deve ser feita com médico cirurgião. No entanto, as clínicas clandestinas atuam de forma organizada e inteligente, com muito marketing nas redes sociais, atraindo assim pacientes desavisados do mundo inteiro.

As clínicas clandestinas e o turismo médico

O negócio é uma troca de interesse financeiro onde tudo é vendido como a realização de um grande sonho, mas que pode virar um enorme pesadelo para o paciente. Os pacientes são atraídos por preços de barganha: a média que as clinicas clandestinas cobram é de US$ 800 a US$1,6 mil (de R$ 2,55 mil a R$ 5,1 mil), enquanto que para realizar o transplante capilar em países como o Reino Unido, o procedimento custa, em média, US$ 12 mil (R$ 38,3 mil), Já nos Estados Unidos, Canadá e Brasil, o valor médio é de US$ 15 mil (R$ 47,8 mil).

O turismo médico está ligado a uma rede de agências de viagens, que junto as clínicas clandestinas, criam uma rede de empresas de transplante capilar ilegal. Eles vendem pacotes que incluem passagens aéreas, hospedagem, o transplante capilar e até transporte em carros de luxo e baladas. Por cada paciente apresentado à clínica, a agência recebe uma porcentagem como se fosse uma comissão.

Só na Turquia, país onde as primeiras cirurgias clandestinas surgiram, são mais 350 clínicas clandestinas de transplante capilar.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Saúde

Em Istambul, 6 de cada 10 clínicas atuam sem licença do Ministério da Saúde. Na maior parte das clínicas clandestinas, os cirurgiões deixam o trabalho para assistentes (técnicas ou enfermeiras), estudantes de medicina inexperientes e até mesmo para pessoas sem treinamento médico.

O mais preocupante é que muitos pacientes não sabem que serão operados em clínicas clandestinas. A ISHRS descobriu recentemente que alguns pacientes que buscam transplante capilar no exterior estão sendo atraídos pelas credenciais de um médico conhecido.

A propaganda é o clássico modelo de “isca”, incluindo falsos testemunhos e marketing duvidoso.

A cirurgia não é realizada pelo médico anunciado, mas por pessoal que não está licenciado para realizar uma cirurgia e em locais com pouca ou nenhuma estrutura médica. Esta é uma prática perigosa que, além de enganar os pacientes, os coloca em sérios riscos.

No Brasil, os biomédicos tentaram tirar uma casquinha desse montante enorme de dinheiro, mas a Associação Brasileira da Cirurgia de Restaurar Capilar (ABCRC) agiu rapidamente e não permitiu que a prática ilegal se alastrasse.

No entanto, visando o enorme crescimento na procura do procedimento na América Latina e México, cerca de 82% das agências ligadas ao turismo médico intensificaram suas ações entre 2012 e 2014. Existem perfis em redes sociais que divulgam resultados e indicam médicos turcos, sites onde o paciente pode comprar o ’‘pacote transplante capilar e viagem turística’’, tudo isso sendo explorado pelo mercado negro das clínicas clandestinas.

Quem vai não sabe que está colocando a saúde e a vida em risco, são enganados por uma rede internacional que vem atuando em diversos países.

Riscos à saúde

Ao invés de melhorar seu visual, o paciente poderá piorar a situação estética da perda capilar: cicatrizes aparentes, resultados artificiais, o não crescimento dos fios transplantados e áreas doadoras totalmente danificadas são algumas das queixas comuns de centenas de pacientes que foram operados em clínicas clandestinas.

Além dos problemas estéticos, há outros fatores que colocam a saúde do paciente em alto risco, como, por exemplo, infecções, que são extremamente comuns. O ambiente onde as cirurgias são realizadas não possui condições sanitárias adequadas.

Por isso, a probabilidade de contaminação por fungos e bactérias é altíssima. Muitas vezes, em clínicas menos organizadas até os enxertos são trocados. O paciente é implantado com cabelo de outro paciente, o que, além de rejeição, pode ocasionar doenças como hepatite e Aids. O risco de morte também existe, especialmente em pacientes com doenças cardíacas.

Então, fica o aviso: antes de submeter-se a qualquer cirurgia, pesquise bem as referências do médico e da clínica. No caso do transplante capilar, acesse o site da ABCRC ou da ISHRS para que não caia em mãos erradas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo