O Veganismo é visto pelos seus adeptos como mais do que uma dieta [VIDEO]: o vegano não utiliza nem se alimenta de nada que tenha origem animal, incluindo mel, gelatina, frutos do mar, cochinilha. Mas uma alimentação restritiva pode afetar a saúde do organismo caso seja mal planejada. A carência de nutrientes pode causar doenças como anemia, osteoporose e bócio. Por isso qualquer deficiência alimentar será punida com um corte nos sistemas que não são vitais ou prioritários para o corpo, como o cabelo e as unhas.

Do ponto de vista orgânico, o cabelo [VIDEO] é algo “supérfluo”, desse modo manter o organismo saudável é essencial para o crescimento e aspecto, por isso uma das principais causas de perda ou fragilidade capilar é a carência nutricional.

A alimentação nem sempre é adequada ou suficiente: o processo industrial reduz o valor nutricional dos alimentos, reduzindo vitaminas e fibras. Ingerir é diferente de absorver. Sem os níveis ideais de nutrientes, o cabelo perde a força de crescimento, torna-se opaco e frágil. A queda e perda capilar, neste caso, são reações subsequentes da falta de nutrientes essenciais como o ferro, proteínas, vitaminas, ômega 3 e zinco.

Uma das principais fontes de ferro são de origem animal, tais como o fígado de boi e carnes vermelhas. Vegetais, em especial os de tom verde-escuro também são fontes do mineral, porém a taxa de absorção pelo organismo é menor. Isso porque existem dois tipos de ferro nos alimentos: o heme e o não-heme. O ferro heme é absorvido de 15% a 35% pelo organismo, já o não-heme tem uma absorção bem menor, de 2% a 20%.

Os alimentos de origem animal possuem 40% de ferro heme, o de melhor absorção. Já os alimentos de origem vegetal possuem apenas ferro não-heme, o de menor absorção.

Frequentemente, os níveis de ferritina estão limítrofes ou baixos, comprometendo o cabelo já que o organismo dá prioridade à produção de hemoglobina. Estudos recentes mostram pacientes femininas não respondem aos tratamentos capilares quando os níveis de ferritina estão baixos, a perda capilar continua mesmo com o uso de medicamentos.

Então sim, o veganismo assim como outras dietas restritivas e sem acompanhamento adequado podem comprometer a saúde do organismo afetando a vitalidade do Cabelos, unhas e pele. Uma alimentação saudável e equilibrada é a chave para um organismo sadio e uma boa aparência. Mas como podemos manter uma alimentação vegana e conseguir absorver os nutrientes de forma adequada?

Combinações veganas para absorção de ferro e proteínas nas refeições

Quando falamos que uma alimentação balanceada é a melhor aliada, não estávamos exagerando, mesmo porque apenas suplementação pode não ser suficiente.

Ingerir alimentos ricos em vitamina C ajuda a absorver o ferro de origem vegetal. Isso porque a vitamina C promove a conversão do ferro férrico em ferro ferroso, facilitando assim a absorção do ferro não-heme em até 4 vezes. Evitar de consumir cafeína antes e depois das refeições também ajuda na absorção do nutriente.

Algumas ótimas combinações:

Brócolis com tomate, chocolate amargo com morangos (essa é excelente né?). Feijão preto e repolho, couve e laranja, espinafre com pimentão vermelho.

Já para se conseguir proteínas temos um cardápio mais variado e de melhor absorção. A quantidade de proteína que precisamos depende muito do o tipo de atividade física que pratica: pessoas que teriam pesado necessitam de mais proteínas do que pessoas que fazem atividades moderadas e também do seu peso. Em média, os homens precisam de 56 gramas de proteínas enquanto que as mulheres 46 gramas.

Soja, lentilhas, castanhas, tofu, ervilhas verdes, arroz integral, quinoa, abacate, sementes de chia e de linhaça, batata vermelha e cevada são ótimas fontes de proteína e não podem faltar na dieta.

Podemos unir saúde, bem-estar, beleza e ativismo sem prejudicar nosso organismo, basta procurar equilibrar os nutrientes. Lembrando que é muito importante a consulta com um nutricionista antes de qualquer dieta restritiva. Nosso organismo é complexo e cada um funciona de uma forma, jamais siga receitas médicas ou dietas de ‘amigos’. Cuide-se!