Com a propagação do coronavírus pela capital Brasília, moradores estão ficando bastante preocupados com a situação e estão lotando os supermercados em busca de mantimentos para estocar em casa e não ter de sair com tanta frequência.

Escolas fechadas por conta do coronavírus

Na última quarta-feira (11), um decreto foi emitido por Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal, decidiu encerrar atividades em escolas e universidades públicas, além também de instituições particulares. Além disso, está proibido aglomerações com mais de 100 pessoas por um período de cinco dias, que podem ser prorrogados.

Depois da decisão do governador de fechar escolas e universidades por conta do coronavírus, Vilma Alves, uma aposentada de 63 anos, em entrevista ao Metrópoles, disse que ela agora sentia que não era o momento de ficar saindo de casa toda hora. A aposentada esteve no mercado para estocar alimentos e assim não ter de sair tanto de casa. Ela ainda disse que iria cancelar compromissos até que a onda de coronavírus passe.

Pessoas estocando alimentos por conta do coronavírus

A aposentada estava usando uma máscara de proteção para fazer suas compras em segurança, ela ainda disse que estava adquirindo produtos que durem maior tempo, que ela possa consumir a longo prazo, pois assim pode usar mais tempo.

Outra senhora, Tânia Maria de 65 anos, entrevistada no supermercado, disse que antes da pandemia de coronavírus ela tinha o hábito de comprar alimentos semanalmente, mas que agora ela irá estocar e só sair de sua casa em caso de necessidade, isso para evitar a contaminação pelo coronavírus. A mulher ainda disse que tem medo, pois tem a imunidade baixa e caso precise de algo, quem irá sair será seu marido.

Coronavírus faz supermercado ficar lotado

No Super Adega, um supermercado de Brasília, as pessoas tiveram de enfrentar uma fila para conseguir entrar no estacionamento e para poder pagar pelos alimentos. Carlos Henrique, supervisor do local, disse em entrevista ao Metrópoles que aquele movimento é anormal para um dia da semana.

Um cliente do local, David de 47 anos, estava com a mãe de 89, eles usavam mascaras para fazer as compras, segundo ele, estava preocupado com a Saúde da mãe que é idosa, ele ainda contou que iria comprar mais alimentos que o normal para não sair tanto de casa.

Coronavírus faz subir procura por álcool em gel

Mas não são só os alimentos que estão sumindo das prateleiras, produtos de higiene e álcool em gel estão também sendo comprados em grandes quantidades.

Segundo o Metrópoles, que entrevistou as pessoas no supermercado, em fevereiro o Distrito Federal já tinha falta de mascaras e álcool em gel nas farmácias. Segundo informa o site, o supermercado vendeu em um dia mais de 6 mil frascos de álcool em gel. Depois da alta procura pelo produto, o supermercado de Brasília restringiu as vendas a uma caixa por cliente.

Prudência

Para o presidente da Sindsuper, os consumidores devem agir de maneira cautelosa e não correr para estocar mantimentos, pois isso pode fazer com que o supermercado fique sem estoque, segundo o presidente o estoque dos mercados duram cerca de 15 dias e com a demanda de clientes eles podem não conseguir acompanhar.

Não perca a nossa página no Facebook!