Com os dados coletados pelo telescópio TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite), da Nasa, juntamente com dois espectrógrafos, foi descoberto por um grupo de astrônomos de várias universidades o exoplaneta TOI-824b, localizado a 210 anos-luz da Terra, na constelação de Circinus.

O exoplaneta foi localizado em meio aos dados do telescópio TESS e teve sua existência confirmada com o auxílio de dois instrumentos em solo, os espectrógrafos PFS (Planet Finder Spectographic) e o Harps (High Accuracy Radial Velocity Planet Search).

Jennifer Burt, doutora responsável pelo projeto e integrante do laboratório de propulsão a jato da Nasa, enfatiza que há um número alto de exoplanetas com tamanho entre a Terra e Netuno e que é muito comum encontrar grandes quantidades desses corpos celestes quando analisados os dados que são coletados pelos telescópios TESS e seu antecessor Kepler.

Esses telescópios coletaram dados sobre mais de 2 mil planetas.

Segundo ela, enquanto há planetas com essas características em abundância pelo cosmos, há a falta deles em nosso sistema solar.

Características do exoplaneta TOI-824b

O corpo celeste possui um raio de 2,9 vezes o raio da Terra e uma massa de aproximadamente 18,5 vezes a do globo terrestre. Seu período orbital é de 1,39 dias. A densidade média do planeta é de 4,03 g/cm e isso o torna duas vezes mais denso que Netuno.

Este exoplaneta considerado raro foi apelidado de "Netuno quente", devido a se situar bem próximo à sua estrela, porém seu núcleo é semelhante ao núcleo de Netuno. Não é tão comum encontrar planetas desse tipo e até o momento foram encontrados poucos mundos com essas características.

De acordo com pesquisadores, é bem mais comum encontrar "Netunos mornos", que se encontram mais distantes de suas estrelas.

A temperatura em TOI-824b pode chegar a 900° C, devido à proximidade de sua estrela, que é classificada como anã tipo K4V. Segundo a Burt, exoplanetas igualmente raros e enigmáticos são os "Júpiteres quentes", que orbitam suas estrelas com um período muito menor do que o Júpiter presente em nosso sistema solar.

Foi informado também que o exoplaneta se encontra na borda de um deserto netuniano. Este termo se refere à área correspondente ao período orbital de 2 até 4 dias. Os cientistas ainda não entendem totalmente porque planetas do tamanho de Netuno não são encontrados nessa localização.

O que tem sido sugerido pela Ciência é que os planetas não conseguem reter a sua atmosfera, restando apenas o seu núcleo, podendo mais tarde serem classificados como planetas rochosos.

Possibilidade de estudo do exoplaneta

Devido às altas temperaturas nesse "Netuno quente", os pesquisadores estão bem mais entusiasmados para estudar a atmosfera do planeta, pois o mesmo não apresenta nuvens, o que o torna um excelente candidato para estudos e análises.

Por conta da atmosfera limpa, o estudo do solo desse exoplaneta poderá ser realizado minuciosamente e informações precisas sobre as principais características poderão ser coletadas. Outro fator interessante que a Doutora Jennifer Burt alegou é que o exoplaneta TOI-824 b até o momento manteve a sua atmosfera, por algum motivo. Geralmente esses corpos celestes perdem a sua atmosfera rapidamente.

Por este motivo é importante que cientistas e pesquisadores o estudem mais precisamente para entender o porquê do comportamento diferente.

O artigo intitulado "Um novo planeta na borda inferior no quente deserto de Netuno" será publicado na revista Astronomical Journal.

Siga a página Ciência
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!