O Ministério da Saúde utilizou a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para produzir aproximadamente 4 milhões de comprimidos de cloroquina com recursos públicos de emergência destinados para as ações contra a pandemia da Covid-19 [VIDEO]. As informações foram apuradas e publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo.

Remédios sem eficácia foram produzidos pela Fiocruz

O jornal conseguiu ter acesso aos documentos da pasta, com as datas que vão de 29 de junho a 6 de outubro de 2020, que revelam que a Fiocruz foi usada para fazer a produção da cloroquina e de fosfato de oseltamivir (Tamiflu), com a destinação para os pacientes com o novo coronavírus.

Ambos medicamentos ainda não possuem uma eficácia comprovada no vírus da Covid-19.

Ainda de acordo com a Folha, foram gastos aproximadamente R$ 70,4 milhões com a produção desses dois remédios. A Fiocruz afirmou ao jornal que a Farmanguinhos, instituto responsável pela produção dos medicamentos, foi encarregado de produzir a cloroquina para poder atender ao programa nacional para a prevenção e o controle de malária.

Em nota, o Ministério da Saúde alegou que essa aquisição de cloroquina não foi concretizada e que a produção desses medicamentos precisa ser explicada pela Fiocruz, e que o Tamiflu não é para o novo coronavírus, mas sim para influenza.

Fiocruz produziu cloroquina, remédio defendido por Bolsonaro

Não é de hoje que Jair Bolsonaro vem sendo acusado de irresponsabilidade em relação ao combate à pandemia.

O atual presidente da República vem batendo em uma mesma tecla há meses: o uso emergencial da cloroquina. Mesmo com a defesa e insistência do presidente, a cloroquina não é eficaz contra a Covid-19. Inúmeros profissionais da saúde, especialistas e a própria OMS já negaram a eficácia da cloroquina contra o novo coronavírus.

A ivermectina foi outro medicamento defendido por Jair Bolsonaro.

O vermífugo também não possui eficácia comprovada contra a Covid-19 e, por isso, o presidente vem sendo atacado e acusado de irresponsabilidade.

Recentemente, um jovem foi internado e precisará ser submetido a uma cirurgia por usar a ivermectina para se prevenir e tratar o novo coronavírus. Os médicos alertam novamente que esse medicamento não deve ser usado para esse tipo de problema.

Escândalo com Fiocruz pode aumentar pressão por impeachment

O tema impeachment é outro que vem sendo bastante recorrente e ligado ao nome de Bolsonaro. A oposição insiste na abertura do processo, acusando o atual presidente de ser irresponsável em relação à pandemia.

Bolsonaro vem sendo acusado pela oposição de ser negacionista e que a sua postura em relação à pandemia indica que o presidente não está preparado o suficiente para lidar com a pandemia. Além de incentivar o uso de medicamentos sem eficácia comprovada, Bolsonaro vem combatendo a mídia, evitando falar do assunto e atacando as vacinas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!