Nesta última quinta-feira (12), o filme "Marighella" teve sua estreia cancelada pelos seus produtores. Por meio de nota divulgada à imprensa, a produtora O2 Filmes relatou não ter conseguido cumprir a tempo todos os trâmites legais que a Ancine (Agência Nacional do Cinema) exige.

Ainda no mês de agosto, esta que é a primeira produção cinematográfica dirigida pelo renomado ator Wagner Moura, teve dois recursos negados pela agência.

A Ancine indeferiu análise de ressarcimento de despesas pagas pela O2 Filmes no valor de R$ 1 milhão pelo Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). A produção também teve negado o recurso que questionava a possibilidade de a verba para a comercialização do filme poder ter sua liberação antes da assinatura do contrato com a FSA.

A data de estreia do longa-metragem no Brasil estava programada para ocorrer no dia 20 de novembro.

Além de ser o aniversário de morte de Carlos Marighella, neste dia também é comemorado o Dia da Consciência Negra. O filme, até o momento, não tem uma nova data para ser exibido nos cinemas brasileiros.

Suspeitas de censura

Artistas, escritores e políticos acreditam que esta situação confirma as suspeitas de censura e também a suspeita de que houve boicote por parte da agência em meio ao Governo do presidente Jair Bolsonaro.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos Jair Bolsonaro

O escritor e jornalista Mário Magalhães acredita que os constantes contratempos encontrados pela produção, que conta a vida do militante comunista Carlos Marighella, comprovam que uma parte da sociedade não quer ver essa história ser contada.

Mário Magalhães é o escritor do livro biográfico "Marighella - O Homem Que Incendiou o Mundo", usado como base para a realização do filme.

A deputada federal Margarida Salomão (PT), acredita que as imposições da Ancine ao longa-metragem são uma consequência da gestão Jair Bolsonaro sobre a agência.

"Perseguição do governo Bolsonaro", afirmou a deputada.

O coordenador da Frente Povo sem Medo e do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, por meio de seu Twitter, relembrou declaração feita pelo presidente em julho, em que dizia: "se não puder ter filtro, nós extinguiremos a Ancine".

Boulos ironizou a fala de Bolsonaro e deu outro nome para o que o presidente chamou de "filtro", Guilherme Boulos chamou de "censura".

O ex-deputado federal Chico Alencar apontou os prejuízos financeiros que este tipo de problema pode causar, Alencar afirma que Jair Bolsonaro cortou 43% do fundo audiovisual.

Ele continua dizendo que o presidente está destruindo um setor altamente lucrativo no Brasil, que movimenta R$ 20 bilhões ao ano e gera mais de 400 mil empregos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo