Em plena vigência do Ato Institucional número 5, surgia um dos veículos de imprensa mais irreverentes e chatos (para os militares da época), que retrataria os costumes e a situação sociopolítica naquele ano de 1969. E daí em diante.

O Pasquim conseguiu a proeza de reunir vários intelectuais, entre humoristas, compositores, desenhistas e cineastas, para provocar e afrontar o período mais duro e difícil da história do Brasil: a ditadura, com o ataque às liberdades individuais e o patrulhamento sobre os direitos civis e sobre a pluralidade política.

A semente de criação de jornal “incômodo e subversivo” veio de uma ideia do cartunista Jaguar e dos jornalistas Tarso de Castro e Sérgio Cabral. Misturando o humor inteligente e crítico com reportagens que versavam sobre o comportamento, a revista logo atraiu a atenção de outras pessoas do meio artístico e da imprensa como Vinícius de Moraes, Ziraldo, Paulo Francis, Odete Lara, Chico Buarque, Gláuber Rocha, Millôr Fernandes, Henfil e Ivan Lessa.

Independência

Em seu primeiro número de circulação, em junho de 1969, Millôr Fernandes escreveu: “o que seria apenas uma frase de efeito logo se tornou premonição: se o jornal fosse independente, seria fechado – se não fosse fechado, era porque deixara de ser independente”.

O tom bem irônico refletiria, de certa forma, a trajetória de O Pasquim por mais de 20 anos.

No mês de novembro de 1970, alguns integrantes da redação foram presos por ordem do regime militar. O motivo seria a capa publicada estampando o quadro de Pedro Américo, onde Dom Pedro I exclama que gostaria de comer mocotó, ao invés de proferir a célebre frase “Independência ou Morte”. E além do mais, o Governo proibiu a veiculação da prisão dos envolvidos. A sequência desse episódio termina quando em janeiro do ano seguinte, o grupo noticiou que uma forte gripe havia tomado conta de todos da equipe.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Educação

Para completar, O Pasquim estampou a foto da atriz Maria Cláudia com os dizeres “estamos aqui, ó!”.

Não era apenas na capa que o deboche figurava. Em qualquer canto ou sobra de página existia a oportunidade para escrachar. Não raro, logo abaixo do logotipo de O Pasquim apareciam frases como: “quem é vivo, sempre desaparece”, “Pasquim – um folião no velório”. Uma clara provocação à ditadura.

O grau de contestação e liberdade de imprensa era tal que a entrevista da atriz Leila Diniz foi reproduzida na íntegra, sem cortes.

Nela, é possível se ler os mais de 70 palavrões que a própria artista disse nesta entrevista. Para driblar os óculos da censura, Ziraldo teve a brilhante ideia de encurtar palavras, criando neologismos como “duca” e “sifu”.

Ingresso para viajar no tempo

Por tudo isso –e mais– a publicação, que durou até o ano de 1991, ganha uma exposição no Sesc Ipiranga (São Paulo) e se encontra aberta ao público desde terça-feira (19). Lá será possível apreciar todas as 1.072 edições que foram digitalizadas e fazem parte do acervo da Biblioteca Nacional.

Outros atrativos são a instalação de 33 totens que versam sobre os colaboradores mais atuantes da revista e traz o ambiente de redação com 26 rotativas de diferentes trabalhos publicados –uma maneira de o visitante mergulhar no universo da imprensa da época.

Também há uma seção dedicada ao “Som do Pasquim”, a qual reúne discos de vinil, seguindo em paralelo à impressão do periódico. Pode-se ouvir composições de João Bosco, Fagner, Caetano Veloso e Tom Jobim. Já o “bolachão” denominado “Anedotas do Pasquim” brinda o ouvinte com piadas contadas por Ronald Golias e José Vasconcelos.

Por ser “um jornal a favor do contra”, O Pasquim se colocou como uma ilha de resistência no meio do oceano de repressão. Em seu auge, vendeu 200 mil exemplares. Caso ainda estivesse em circulação, certamente estaria na internet e nos meios digitais, fazendo parte da democracia do humor e da crítica política. Mesmo assim, não deixa de ser uma inspiração para aqueles que adoram uma esculhambação ou referência, já que o AI-5 de 1968 foi relembrado recentemente como elogio.

Ficha:

Nome: “O Pasquim – 50 anos”

Local: Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822

Telefone: 3340-2000

Horários da exposição

Terça a sexta-feira: das 9h às 21:30h

Sábados: das 10h às 21:30h

Domingos e feriados: das 10h às 18:30h

Entrada grátis

Até quando: 12 de abril de 2020

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo