Não é a primeira vez que o mundo assiste ao transporte de casas e imóveis em cima de veículos projetados para aguentar o peso e a intensidade de uma aventura como essa.

A novidade é que no fim desta semana uma família dos Estados Unidos completou a tarefa de transferir uma mansão construída no século 18 não por meio rodoviário, mas sim, por meio marítimo.

O novo destino da residência em estilo gregoriano ficará a 80 km do local de onde se encontrava anteriormente.

A mansão Galloway situava-se na cidade de Easton e seu novo endereço passará a ser a cidade de Queenstown, no estado norte-americano de Maryland, na costa leste.

Quem serviu de suporte e de meio para fazer esta mudança foi uma balsa que enfrentou o mar durante alguns dias deste mês de setembro. Se colocarmos na realidade do estado de São Paulo, a embarcação fez um percurso quase equivalente entre as cidades de São Paulo e Campinas.

O atual dono desta casa atende pelo nome de Christian Neeley, que a adquiriu por US$ 500 mil. Porém, ele gastou mais com a logística envolvida, ou seja, o transporte de balsa: cerca de US$ 1 milhão para levar a casa ao novo destino. Para se fazer a empreitada, foi preciso um planejamento prévio de dois anos até que se concretizasse desta forma.

Perguntado sobre qual seria o motivo de tal transferência, Neeley diz que adorou a mansão, mas não queria que ela ficasse no local anterior, porque ele não tinha gostado da localização.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Relacionamento Curiosidades

Na época da compra, a casa estava abandonada, o que justificaria o valor estipulado para a transação de sua compra.

Outro dado curioso sobre essa façanha está na velocidade desenvolvida pela balsa: a fim de não afetar a estrutura da residência, ela só podia navegar até 8 km/h. Percebe-se que a operação foi demorada.

História e valor sentimental

A mansão Galloway foi construída entre os anos de 1760 e 1764 e foi dada como presente de casamento para William Nicols e Henrietta Maria C.

Nicols. Lá, eles tiveram quatro filhos e morreram em 1778. Depois, a casa teve várias funções com o decorrer do tempo. Sua área de 600 hectares foi propícia para o desenvolvimento da agricultura e da criação de gado. Seu último habitante foi uma florista que a utilizou como moradia por 50 anos.

Seu mais recente morador, Christian Neeley, assegura que a mansão servirá como habitação para as quatro gerações de sua família.

Ele disse também que a construção passará por um período de restauração, preservando o estilo gregoriano da casa. Ele deseja restabelecer o padrão original de arquitetura para aqueles espaços da residência onde se observaram modificações feitas pelos moradores anteriores.

O mais legal dessa história surpreendente é que Christian deixou escapar uma frase instigante quando questionado sobre o novo local da mansão: [ela] “não foi para um lugar aleatório”, sinalizando que a mudança tinha uma escolha premeditada.

É que o novo endereço da mansão Galloway ficará perto do túmulo de uma das componentes da família Nicols, a qual está enterrada em Queenstown.

Para Neeley, o fato de a casa se localizar próxima de um dos ex-moradores é a perduração da memória e da história tanto dos moradores antigos quanto da construção através dos tempos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo