5 atitudes que podem ajudar a evitar a temida depressão pós-parto

Superar a depressão pós-parto, é um desafio que a mulher precisa da ajuda de familiares, amigos e profissionais. (Arquivo Blasting News)
Superar a depressão pós-parto, é um desafio que a mulher precisa da ajuda de familiares, amigos e profissionais. (Arquivo Blasting News)

A depressão pós-parto não precisa mais ser um problema de difícil solução, para alívio das mamães.

Não perca as atualizações mais recentes
Clique nos tópicos de interesse e comece a segui-los. Nós vamos sempre te manter atualizado com as principais notícias.
clique para ver o vídeo
Gusttavo Lima quer voltar para Andressa Suita e tenta conversar, diz jornal

A depressão pós-parto é algo é que ocorre com uma grande parte das mulheres, e que às vezes é mal interpretada por pessoas até da própria família. O momento é maravilhoso, pois tudo gira em torno de um ser novo que acabou de chegar. Então, para a maioria das pessoas, não há motivos para tristezas e sim de comemoração.

O que precisa levar em conta é que, durante o período de gestação, a mãe passa por profundas mudanças hormonais, que podem gerar alterações no sistema nervoso central. Se o estado de melancolia e desânimo permanecer por mais de 15 dias, já pode ser considerado uma depressão pós-parto, que se não for tratada adequadamente, pode se tornar crônica.

Comportamentos básicos de quem está com depressão pós-parto

A mulher que está vivendo este período difícil, geralmente se recusa a ter uma proximidade amorosa com a criança, chora constantemente, muda o humor de uma forma brusca, se isola, se sente inútil, tem distúrbios no apetite, insônia e irritabilidade. Se o caso se tornar crônico, pode durar meses, e a mãe, além desses sintomas, pode ter pensamentos contra si mesma ou ao bebê.

Luz no fim do túnel

Remédios antidepressivos indicados por profissionais podem fazer parte do tratamento, mas não são a única opção. É importantíssimo saber que a colaboração da família e o querer da própria paciente em se dispor a tomar atitudes positivas fazem toda a diferença no tratamento, como foi mencionado no site da revista Crescer pela psicóloga Fátima Ferreira Bortoletti, o psiquiatra Joel Rennó Jr. e o ginecologista obstetra Paulo Marinho.

1

1. Procurar ajuda específica

Nesta fase, é normal a mulher ficar extremamente sensível, se preocupar em ser uma mãe perfeita e não se sentir em condições. Se comparar com outras mães, será péssimo para ela. Uma ótima opção para equilibrar o emocional é procurar um grupo de apoio com mulheres na mesma situação. A interação e troca de experiências fará com que a mãe perceba que ela não está sozinha e que pode vencer. (Reprodução/Pixabay)

2

2. Casa cheia não é bom

Ambiente tranquilo é essencial para mãe e bebê. Sem contar que a maioria vem com o intuito de ver mais a criança do que a mãe. Ela pode estar se sentindo insegura pela aparência e indisposta fisicamente. Mas como são inevitáveis, receber poucas visitas por dia (que demonstrem interesse pelo estado da mãe) pode fazer muito bem. Então fica a dica para a família controlar a agenda. (Reprodução/Pixabay)

Não perca a nossa página no Facebook!