A pandemia gerada pela Covid-19 mudou toda a forma do mundo interagir e afetou diversos seguimentos sociais. Rotinas como ir ao teatro, cinema e shows tornaram-se inviáveis em razão do distanciamento social, necessário para evitar a propagação do vírus. Diante desta nova realidade, algumas soluções criativas vêm sendo adotadas para driblar as restrições impostas pela pandemia.

Nesse sentido, na última sexta-feira (22) e no último sábado (23), a banda de rock americana Flaming Lips realizou seus shows colocando tanto músicos quanto o público dentro de bolhas de plástico infláveis.

Essa engenhosa ação foi promovida com o intuito de viabilizar a apresentação do grupo, ao mesmo tempo em que se conscientiza o público em geral dos riscos de contaminação atreladas à Covid-19.

Inovação e adaptabilidade

O setor de turismo e eventos foi um dos mais afetados diante da pandemia da Covid-19, especialmente pela necessidade de isolamento social. As "lives", ou seja, shows online, foram uma das estratégias mais utilizadas durante o ano de 2020. Entretanto, essa alternativa não oferece uma experiência real ao expectador, uma vez que sua interação é limitada.

Para driblar os condicionamentos impostos pela pandemia e conseguir se apresentar em segurança, a banda de rock americana Flaming Lips teve uma ideia inovadora e original: colocou seus músicos e o público dentro de bolhas infláveis, respeitando, assim, o distanciamento social e evitando o risco de contágio pelo novo coronavírus.

A sagaz ideia partiu de Wayne Coyn, líder da banda. Antes mesmo da pandemia da Covid-19, o músico já utilizava bolhas para interagir com o público em alguns de seus shows. Durante a pandemia, nos meses de junho e setembro de 2020, a banda chegou a fazer alguns shows piloto com o tempo reduzido e também se apresentou em programas de televisão dentro de bolhas.

Feitos os testes, a banda estava pronta para por a ideia em prática.

Segurança e entretenimento em tempos de pandemia

As duas apresentações realizados pelo grupo aconteceram no Estado de Oklahoma, nos Estados Unidos, e ocorreram na sexta (22) e no sábado (23). Foram disponibilizados 100 balões, cada um com a capacidade de acomodar até três pessoas.

Cada um dos balões foi devidamente equipado com sistema de alto-falantes suplementares de alta frequência, com o objetivo de evitar distorções sonoras. Além disso, havia no interior de cada balão uma série de recursos para garantir o bem-estar do público participante, como ventiladores movidos a pilha, toalhas, garrafas de água e bandeiras de sinalização para avisar que a temperatura estava alta ou para informar que precisava ir ao banheiro.

Os organizadores consideraram o evento um verdadeiro sucesso e preveem que a ideia pode vir a incentivar outras bandas a terem ideias semelhantes ou repetir a experiência. Entretanto, é importante salientar que, mesmo protegidos por bolhas, o público participante precisa manter todas as precauções indicadas durante as apresentações, em especial, evitar o contato com outras pessoas para impedir o contágio.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Tendências
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!