Neste sábado (6), o Governo brasileiro fez o pagamento de mais um lote da primeira parcela do auxílio emergencial a cerca de 200 mil pessoas, conforme a divulgação da Caixa Econômica Federal. Os pedidos que foram solicitados entre abril e maio e que estavam em reanálise foram atendidos e beneficiaram milhares de famílias brasileiras.

Segundo Tatiana Thomé De Oliveira, vice-presidente de Governo, o Dataprev enviou 1,4 milhão de pedidos, mas apenas 200 mil foram elegíveis e contemplados neste sábado. O beneficiário receberá o auxílio emergencial pela conta indicada no momento do cadastro ou pela poupança digital criada pelo banco da Caixa.

Para essas famílias o benefício foi liberado para saque imediato ou transferência, garante a vice-presidente da Caixa. Ao todo, a Caixa já pagou cerca 58,6 milhões de famílias brasileiras.

Pagamento da 2.ª parcela do auxílio emergencial

O auxílio emergencial já está na sua segunda cota de pagamentos que começou a estar disponível para saque ou transferência desde o dia 30 de maio para aqueles que receberam a primeira parcela até 30 de abril. Já aqueles que receberam após esta data deverão esperar pelo próximo calendário que indicará as próximas datas para o pagamento da segunda parcela.

Como contestar ou refazer o pedido do auxílio emergencial

Para refazer o pedido basta entrar no aplicativo Caixa Auxílio Emergencial, selecionar a opção "acompanhe a sua solicitação", e informar os dados (CPF; data de nascimento e nome da mãe) solicitados.

Para aqueles que desconhecem a mãe existe a opção ‘mãe desconhecida’.

Caso o benefício seja negado, aparecerá a na mesma tela duas opções: realizar nova solicitação e contestar essa informação. Caso escolha pela primeira opção o cidadão deve preencher o cadastro novamente. Mas, pode optar pela contestação, se tem certeza dos dados informados.

Nessa opção não há possibilidades de alterar os dados informados e ela só pode ser feita uma vez.

Portanto, é mais indicado refazer a solicitação do que contestar. Já que o cidadão pode ficar tentando a nova solicitação quantas vezes achar necessário.

Principais motivos que culminam na recusa do auxílio emergencial

  • Quando o sistema detecta que há vínculo empregatício ativo;
  • Quando um dos membros da família indicado no pedido tenha falecido;
  • Quando o sistema detecta que o cidadão recebe seguro-desemprego ou benefício do INSS; e
  • Quando a renda familiar declarada é acima de 3 salários mínimos ou a meio salário mínimo por membro familiar.

Aumentou o número de cadastros no auxílio emergencial

Uma nova lista de processamento com o pedido do benefício mostrou que houve aumento de 101,2 milhões para 101,9 milhões. Mas, apenas 59,2 milhões foram elegíveis, tendo o benefício liberado, e 42,7 milhões tiveram o benefício negado, conforme informações do site Agência Brasil.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!