Na tarde deste último sábado (19), a Agência Brasil recebeu a informação de que a nuvem de gafanhotos que se encontra na Argentina pode chega ao Rio Grande do Sul até a próxima quarta-feira (22). Esta previsão se dá no momento em que se percebe uma elevação da temperatura no Sul do Brasil.

Ricardo Felicetti, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul, afirma que há uma apreensão em toda a classe agricultora devido à alta temperatura deste final de semana. Pensando nisso, foi elaborado pelo Ministério da Agricultura um plano operacional de emergência para combater uma eventual ocorrência da praga no Estado.

Desenvolvimento das nuvens de gafanhotos

Em entrevista ao site Sputnik Brasil, a entomóloga Adriana Labinas explicou que as nuvens de gafanhotos preferem lugares com temperaturas mais elevadas, o que propicia o desenvolvimento do inseto. Ela afirma ainda que a ausência de chuvas e ventos facilita o deslocamento das nuvens.

Segundo a MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a nuvem de gafanhotos se encontra estável na província de Corrientes, Argentina, em um ponto a 130 quilômetros do município de Quaraí, Rio Grande do Sul.

Segundo Labinas, a esperança é de que o clima esfrie, com chuvas e ventos, e assim evite grandes prejuízos à economia do estado e do Brasil.

Nuvem de gafanhotos acende o estado de alerta

As análises mostram que a nuvem de gafanhoto está indo em direção à província de Entre Rios, situado na fronteira entre a Argentina e o Uruguai.

De acordo com Felicetti, essa nuvem de gafanhoto tem o poder de devorar grandes plantações em questões de horas, gerando um grande impacto econômico. No caso de alcançarem as culturas recém-plantadas de trigo e canola, o prejuízo será muito grande para a economia local e, consequentemente, nacional.

Plantações como a de citricultura, cevada e pastagens de inverno para a engorda do gado de corte e de leite também deixam muitos agricultores do Brasil apreensivos.

Orientações

O Ministério da Agricultura orienta para que os agricultores rurais prestem atenção a chegada dos insetos e, caso ocorra, deve ser avisado imediatamente ao órgão de defesa mais próximo que esteja sob o comando da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural.

Mas não é apenas na Argentina a concentração de nuvens de gafanhoto, o Paraguai também sofre com esse problema. Ambos os países estão sendo monitorados pelo Brasil, porém este com menos preocupação que o outro. Na sexta-feira (17), houve uma reunião entre os representantes de órgãos responsáveis, onde foram discutidas as questões relativas aos recursos operacionais de cunho emergencial, visando a supressão dos surtos desses insetos.

Segundo a Senave (Serviço de Qualidade e Sanidade Vegetal) do Paraguai, os gafanhotos se encontravam em Madrejón, mas seguiram para o sudeste da região, na direção de Teniente Pico. Essa mudança que ocorre se dá devido à possibilidade de elevação da temperatura e permite que o trânsito desses insetos ocasione grandes prejuízo em regiões de plantios.

Siga a página Natureza
Seguir
Siga a página Animais
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!