No dia 1º de maio de 2019, o autódromo de Interlagos foi palco de recordações sobre um dos mais populares ídolos do esporte do Brasil: Ayrton Senna. No mesmo dia do Trabalho de 1994, o piloto de automobilismo perdia sua vida numa fatídica curva do circuito de Ímola, na Itália.

Em 2019, a cidade de São Paulo, terra natal de Ayrton, mobilizou-se a fim de fazer um grande evento, denominado “Senna Day”.

Logo pela manhã, as redondezas do autódromo localizado na zona sul da capital paulista registravam grande movimentação e até engarrafamento de trânsito. Uma confirmação de que mesmo após tanto tempo, o exemplo, o profissionalismo e a honestidade de Ayrton estão passando de geração em geração.

Montou-se o “Senna Day” com diversas atrações, como shows musicais e exposição de objetos que pertenceram ao tricampeão mundial da Fórmula 1.

As crianças marcaram boa presença, o que é curioso, já que elas não eram nascidas na época em que Ayrton competia. Um dos meninos declarou que Senna “era um herói, fez muito pelo Brasil e levantava a bandeira do Brasil mesmo quando o país estava nos piores momentos”.

Especial

Um dos momentos mais emocionantes foi a apresentação de um carro superesportivo denominado McLaren Senna. O veículo deu algumas voltas em Interlagos e levou o público ao delírio.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Televisão Educação

A irmã e presidente do Instituto Ayrton Senna, Viviane, proferiu um discurso no qual o mais importante não é a celebração da morte, mas sim, da vida. Ela continuou descrevendo mais o lado humano do irmão, o qual era uma pessoa determinada, perseverante e com muita garra.

O 1º de maio de 1994

É bem provável que muitos brasileiros estavam grudados na Televisão naquele primeiro de maio de 1994, assistindo a mais uma corrida emocionante, etapa de San Marino.

Pouco mais de 9h, o carro de Ayrton Senna perdeu o controle ao tentar fazer a curva Tamburello. Os instantes seguintes foram de ansiedade e tensão: os primeiros socorros, a demora na avaliação médica, o transporte de helicóptero e a chegada ao Hospital Maggiore, situado na cidade vizinha de Bolonha. O último boletim foi divulgado por volta das 13h40min, relatando o que ninguém esperava: Ayrton tinha disputado seu último grande prêmio.

Daí então, surgiu uma comoção geral e coletiva ao redor do mundo. Da Itália ao Brasil, do Japão à Inglaterra, centenas de homenagens foram feitas. Sob a insígnia do luto e do choro, a cidade de São Paulo parou para ver Ayrton Senna da Silva passar pela última vez. Não só São Paulo como o Brasil parou. Seu respeito era tão grande que seu caixão foi conduzido por grandes pilotos de automobilismo, como Emerson Fittipaldi e o rival, o piloto francês Alain Prost.

Alguns de seus companheiros de profissão falavam que ele não era apenas o melhor entre os melhores, era um herói solitário num país que sofre por suas mazelas sociais e confusões políticas. Ao povo brasileiro, Ayrton significava (e ainda significa) um símbolo de hombridade e decência, dentro e fora de um trabalho que exigia competição, precisão e estratégia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo