Na manhã deste sábado (2), o Fluminense confirmou, por intermédio de sua conta no Twitter, a programação para o lançamento oficial dos seus novos uniformes produzidos pela Umbro, que substituirá a Under Armour no fornecimento do material esportivo do Tricolor. O evento acontecerá no próximo dia 6 de maio, às 19 horas (de Brasília).

Por conta do isolamento social imposto pela pandemia do Coronavírus, a novidade será apresentada ao torcedor somente pela Flu TV, emissora oficial do clube carioca. Além da apresentação das camisas de treino e jogos, haverá um show do cantor Xamã.

O Fluminense também anunciou que, imediatamente após o fim do evento, iniciará a venda dos seus novos uniformes.

Novamente devido ao coronavírus, quem quiser adquirir o material, precisará acessar a loja virtual do Tricolor.

Há cerca de um mês, os novos uniformes do Fluminense tiveram imagens vazadas nas redes sociais nos últimos meses, fato que gerou uma profunda irritação por parte do presidente da equipe das Laranjeiras, Mário Bittencourt, e dos demais membros da diretoria.

Fluminense firma parceria com ONG

O Fluminense anunciou, nesta sexta-feira (1), a criação de uma parceria com a ONG Viva Rio e convidou a torcida para aderir ao projeto SOS Favela, uma rede solidária que distribuirá cestas básicas a moradores de favelas e periferia.

O tricolor, que quiser aderir ao projeto, acessará o site do Viva Rio e clicar no botão Time de Todos para realizar sua doação.

A ajuda consiste em distribuição de itens de alimentação e higiene, todos no valor de R$ 55 mensais.

Toda a doação será feita pelos mercados da comunidade. Logo, além dessa população o SOS Favela colabora para aquecer a economia local.

Mário reafirma necessidade de vender jogadores

Em entrevista concedida ao portal Saudações Tricolores no último domingo, o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, voltou a dizer que o clube precisará negociar jogadores em 2020.

Segundo o dirigente, o clube perdeu receitas importantes por conta da quarentena do coronavírus e necessitará compensar esse prejuízo.

“È a maior fonte de receite dos clubes. Vamos ter que fazer venda de jogadores no meio, no final”, disse o mandatário, que garantiu sempre tentar a manutenção das principais peças do elenco por isso, criou um método de avaliação antes de iniciar uma negociação.

“Pegar os jogadores e dividir em faixa de venda. Jogadores que não performaram nos profissionais, vendemos por valores menores para evitar vender os maiores”, complementou.

Um dos atletas bastante especulados em uma quase certa venda é o atacante Marcos Paulo. Com cidadania portuguesa, ele já foi alvo de equipes europeias. Outro com possibilidade de mercado é o jovem meia Miguel, que se destacou no início da temporada.

Siga a página Futebol
Seguir
Siga a página Fluminense
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!