Ronnie e Donnie Galyon, os irmãos siameses mais velhos do mundo, nasceram em 28 de outubro de 1951, e morreram em uma clínica de atendimento a doentes terminais. Os irmãos faleceram neste sábado (4), em Dayton, Ohio, nos Estados Unidos.

Título

No ano de 2014, os irmãos Ronnie e Donnie receberam o título de irmãos siameses mais velhos do mundo, após ultrapassarem a idade de gêmeos italianos. Na época em que assumiram o título no livro dos records (Guinness Book), os gêmeos moravam na cidade de Beavercreek, localizada também no estado de Ohio, onde viviam com o irmão Jim Galyon e apresentavam bom quadro de saúde.

História

Ronnie e Donnie eram considerados por muitos um grande exemplo de superação. Apesar das limitações impostas, eles viveram intensamente.

Os irmãos chegaram a se apresentar em circos e carnavais ainda na infância, sustentando sua família por muito tempo através de seus trabalhos. Os gêmeos se aposentaram ao completar 40 anos, em 1991.

No ano de 2010, um documentário sobre a vida dos irmãos foi apresentado por uma TV norte-americana.

Até o ano de 2010, Ronnie e Donnie moravam sozinhos, mudando seu estilo de vida apenas quando problemas de saúde começaram a surgir. Foi então que Jim os acolheu.

Com muito carinho e admiração pelos irmãos, a comunidade chegou a fazer uma vaquinha para reforma da casa e compra de uma cadeira de rodas adaptada.

Gêmeos siameses

Ronnie e Donnie nasceram com a parte inferior do tronco até a virilha, unidas. Os irmãos, que compartilhavam dos mesmos órgãos digestivos, tinham braços e pernas independentes, assim como o coração e o estômago.

Em classificação médica, os gêmeos são considerados gêmeos xifópagos policefálicos interligados pela barriga.

Mesmo com órgãos e membros independentes, a movimentação e locomoção dos irmãos siameses era muito difícil.

Em termos de personalidade os gêmeos Ronnie e Donnie Galyon possuiam uma personalidade individual, consideradas bem opostas, chegando a se desentenderem com socos e pontapés. De acordo com o documentário e materiais divulgados, com apenas um olhar eles conseguiam se entender, e na hora de fazer a barba o espelho era dispensável, pois um fazia a barba do outro com perfeição.

Esse tipo de caso é considerado raro, atinge um a cada cem mil nascidos, e destes 60% não sobrevivem, muitas vezes inclusive já nascem sem vida.

No final de sua vida, os gêmeos sofriam de sobrepeso, esclerose e artrite. A mobilidade dos siameses já era muito reduzida e ficar de pé se tornou uma tarefa bem difícil, desta forma eles raramente conseguiam sair de casa.

Siga a página Ciência
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!