As autoridades de Saúde da Espanha informaram que quase 100 mil visons serão sacrificados no país após realizarem exames e testarem positivo para coronavírus. Os animais vivem em uma fazenda localizada no nordeste da Espanha.

No mês de maio, a esposa de um agricultor contraiu a doença e, logo em seguida, seu marido e mais seis trabalhadores da fazenda testaram positivo para o novo coronavírus.

O surto

A província de Aragão descobriu o surto após a contaminação dos trabalhadores. Os visons criados na fazenda para a produção de casacos de pele tiveram sua saúde monitorada após a confirmação dos casos, e permaneceram isolados durante as investigações.

Em 13 de julho os testes para Covid-19 foram realizados nos animais e apresentaram um resultado surpreendente. Um total de 87% dos visons testaram positivo para o coronavírus. Após os resultados dos testes, o sacrifício de 92.700 foi ordenado pelas autoridades de saúde.

A empresa responsável pela administração da fazenda será recompensada financeiramente.

Contágio

Aragão é uma das regiões mais afetadas pelo coronavírus na Espanha, com mais de 250 mil casos confirmados da doença. Desde o início da pandemia registrou 28 mil mortes. A decisão de sacrificar os animais foi baseada no risco de contaminação humana.

O ministro da agricultura da cidade, Joaquín Olona, declarou a uma equipe de repórteres na quinta-feira (16) que não existe ainda nada que comprove a transmissão de humanos para animais ou de animais para humanos.

De acordo com o ministro, existe a possibilidade de os visons terem sido contaminados por um dos trabalhadores da fazenda. Por outro lado, a possibilidade de que os trabalhadores tenham sido contaminados pelos animais também existe. É impossível prever o que realmente ocorreu, sendo que não existe nenhuma comprovação de que este tipo de contágio seja possível.

Helen Briggs

A jornalista de saúde e ciência, Helen Briggs, relatou que mais de um milhão de visons foram contaminados por coronavírus na Espanha, e que estudos já estão em andamento para descobrir como houve o contágio. Helen diz que os visons podem contrair o vírus que se espalha rapidamente entre os outros animais.

De acordo com a jornalista, o coronavírus que surgiu da espécie animal apresenta hoje papel invertido, sendo mais fácil que os humanos transmitam o vírus a eles.

A situação causa grande preocupação na comunidade científica, pois se o coronavírus expandir no reino animal, principalmente em animais selvagens, levará um bom tempo para que a situação seja identificada, sem contar o risco para animais em extinção como algumas espécies de macacos.

Além da Espanha, Dinamarca e Holanda também tiveram casos identificados em visons resultando no sacrifício de milhares de animais.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!