Este dia 1º de janeiro de 2019 foi marcado por momentos históricos, muita emoção, choro e alguns episódios conturbados.

Em sua cerimônia de posse, Jair Bolsonaro chegou a se emocionar diante de um público que gritava "mito", referência carinhosa feita por vários de seus apoiadores a ele durante a campanha eleitoral. O capitão da reserva desfilava em um carro aberto e muito emocionado acenava para todo o público.

A posse teve um esquema gigantesco de segurança e medidas restritivas de circulação de pessoas, inclusive jornalistas. Após um discurso rápido já com a faixa presidencial, Bolsonaro levantou a bandeira do Brasil e recebeu os aplausos da plateia.

Num momento de quebra de protocolo, Michelle Bolsonaro, a primeira-dama, atraiu a simpatia de todos. Ela tomou a palavra para si e surpreendeu com um discurso em Libras.

Foi um gesto em direção às minorias e que chamou a atenção de muita gente.

Michelle transmitiu ao país uma mensagem de inclusão. Até mesmo a profissional que lia o texto interpretado em linguagem de sinais por Michelle chegou a se emocionar ficando com a voz embargada.

Moro ovacionado

Ao assinar a nomeação dos seus 21 ministros, o ex-juiz federal Sergio Moro, que irá chefiar os ministérios da Justiça e da Segurança Pública, foi o primeiro a ser chamado, respeitando o protocolo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Sergio Moro

Moro foi o ministro mais aplaudido de todos. Ele foi responsável pela Operação Lava Jato, onde condenou vários políticos que se envolveram em esquemas ilícitos. Um deles é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT.

A pasta destinada ao ex-magistrado é considerada um "superministério" pelo presidente Bolsonaro. Vários órgãos ficariam subordinados a Moro como, por exemplo, a Polícia Federal e o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Ao todo serão 22 ministros no Governo Bolsonaro, contudo, Roberto Campos Neto, que será indicado para a presidência do Banco Central, ainda precisa do aval do Congresso.

Confusões

Alguns jornalistas ficaram revoltados com algumas restrições e chegaram até mesmo a abandonar a cerimônia de posse.

Os repórteres foram obrigados a chegar às 11h ao Ministério das Relações Exteriores. No entanto, apenas às 19h eles poderiam realizar os seus trabalhos.

O lugar que ficaram era muito pequeno e alguns deles acabaram desistindo e indo embora.

Além disso, jornalistas também foram alvos de xingamentos por centenas de pessoas. A imprensa foi hostilizada. As palavras de ordem que eles proferiram eram, por exemplo: "Globo lixo" e "Folha lixo". Isso porque Bolsonaro criticou bastante esses veículos de informação que, segundo o presidente, lançaram notícias falsas durante sua campanha.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo