O ex-ministro e um dos candidatos derrotados ao Palácio do Planalto em 2018, Ciro Gomes, do PDT, teceu críticas extremamente duras ao Partido dos Trabalhadores (PT). Ele disse que o "lado bandido" do partido tem tomado a frente das decisões. Durante a realização de uma entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, o ex-governador do Ceará afirmou que havia se tornado um dos principais alvos do PT, em alusão ao período em que realizava a campanha eleitoral para a Presidência da República, no final do ano passado.

Publicidade
Publicidade

Vale lembrar que o então candidato Ciro Gomes ficou fora da disputa em segundo turno da eleição presidencial. A disputa se deu entre o atual mandatário brasileiro, Jair Bolsonaro, e o representante do PT, Fernando Haddad. Bolsonaro consolidou a vitória em segundo turno, com mais de 57 milhões de votos.

'Hegemonia apodrecida'

De acordo com Ciro Gomes, ele seria uma ameaça à "hegemonia apodrecida" do PT. O ex-governador disse ainda que o presidente Jair Bolsonaro seria fruto do "lado bandido do PT".

Publicidade

Ciro, ao fazer uma análise da situação do partido, após a derrota nas eleições presidenciais, afirmou que o PT estaria completamente perdido e que sobraria, no entanto, ao "lado bandido" bater nele.

Entretanto, o ex-governador Ciro Gomes se referia à uma discussão recente que havia travado com a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann. Contudo, Ciro acredita que a eleição de Jair Bolsonaro para o Palácio do Planalto teria resultado numa suposta paralisia da sigla petista.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
PT

Vale ressaltar que ocorreram vários "embates" protagonizados pelo ex-candidato à Presidência, Ciro Gomes, e a atual presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. Ele chegou a chamá-la de "chefe de quadrilha". No entanto, a deputada federal petista retrucou, ao chamar Ciro de "coronel oportunista".

Uma das críticas alavancadas por pelo ex-governador trata-se da decisão do partido do ex-presidente Lula em não participar da cerimônia de posse do presidente da República, Jair Bolsonaro.

No entanto, segundo rememorado por Ciro, o PT, através de sua presidente Gleisi Hoffmann, teria participado da cerimônia de posse do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro. Ciro Gomes pontuou o fato como "antidemocrático".

Já em relação a projetos para o futuro, Ciro Gomes disse que o PDT se articula para se firmar como oposição ao governo de Jair Bolsonaro, no Congresso Nacional. Ciro destacou que seu partido tem atuado com parceria, em relação a outros partidos do especto da esquerda, como o PSB e o PCdoB.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo