Dois suspeitos de matarem a vereadora Marielle Franco (PSOL) foram presos nesta terça-feira (12). Um dos suspeitos é o sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa, de 48 anos, e o outro é o ex-policial militar Élcio Vieira, de 46 anos.

A operação para prender o policial militar e o ex-PM teve início através de uma ação em conjunto da Delegacia de Homicídios (DH) e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ).

Publicidade
Publicidade

As suspeitas começaram por conta de um deles estar utilizando o carro do crime. Para não chamar atenção, as equipes foram reduzidas. Por volta das 4h, as equipes já estavam no endereço dos suspeitos e cumprindo o mandato de prisão.

A prisão preventiva dos suspeitos foi decretada pelo juiz substituído do 4º Tribunal do Júri Gustavo Kalil, após a denúncia do Ministério Público (MP). Além da prisão, a operação cumpriu também mandado de apreensão nos endereços dos suspeitos.

Publicidade

De acordo com o Ministério Público, o policial militar Ronnie Lessa teria atirado na vereadora e no motorista Anderson Gomes. O segundo suspeito, o ex-militar Élcio Vieira de Queiroz, estava dirigindo o carro no momento dos disparos.

O Ministério Público pediu a suspensão da remuneração e do porte de arma de Lessa. A justiça fez um pedido também de indenização por danos morais às famílias das vítimas e pensão em favor do filho de Anderson Gomes.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, os suspeitos também foram denunciados por tentativa de homicídio de Fernanda Chaves, assessora de Marielle, que sobreviveu ao atentado. O jornal informou também que o suspeito Ronnie Lessa foi preso em sua casa, no condomínio de luxo Vivendas da Barra, localizado na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, mesmo local onde o presidente Jair Bolsonaro tem casa. Dos 34 imóveis ligados a investigação, todos já foram emitidos mandados de busca e apreensão.

Assassinato de Marielle Franco

No dia 14 de março de 2018, o motorista Anderson Gomes levava Marielle e a assessora Fernanda Chaves para um evento que debatia sobre mulheres negras. A vereadora e a assessora saíram por volta das 21h04. Às 21h30, um carro emparelhou com o da vereadora, disparou e fugiu sem roubar nada.

Marielle Franco morreu atingida por 4 tiros na cabeça. O motorista Anderson Pedro Gomes foi atingido por 3 tiros na lateral das costas e morreu. A assessora se feriu com estilhaços, foi levada ao hospital e liberada.

Publicidade

Quem matou Marielle?

A viúva de Marielle, Mônica Benício, disse à Folha que esta prisão dos suspeitos é um passo importante para as investigações, mas ainda não responde à pergunta sobre quem mandou matar e articular o crime e qual foi a motivação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo