Nesta última terça-feira (19), o senador Alessandro Vieira (PPS-SE) protocolou no Senado a abertura da CPI da Lava Toga (Comissão Parlamentar de Inquérito), que visa excessos em tribunais superiores e também na Suprema Corte Brasileira.

O senador explicou que, a princípio, o pedido só seria enviado no final da tarde com a possibilidade de conseguir até 35 assinaturas. Entretanto, conforme pressão, resolveu levar adiante com 29 nomes, pois sinalizou que haveria senadores dispostos a cancelar a assinatura.

Vieira disse que, através de notícias, se vê a pressão de ministros do Supremo contra o requerimento. Dessa forma, resolveu tomar uma decisão estratégica. As 29 assinaturas colhidas são apenas duas a mais que o mínimo necessário para conseguir a instauração do inquérito.

Alessandro Vieira também contestou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, de que a abertura da CPI poderia provocar uma crise institucional.

Contudo, o senador afirmou que não há ameaça aos poderes, porém, teriam "poderosos" que se sentem ameaçados. Ainda assim, declarou: "eles estão usando as instituições para se protegerem".

Segundo informações do Blog do Josias, os três ministros da Corte alvos de investigações são: Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Luiz Fux. Além do mais, ministros que integram o Superior Tribunal de Justiça e Tribunal Superior do Trabalho também aparecem na lista como alvos da CPI da Lava Toga.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Críticas ao Judiciário

O senador Alessandro Vieira foi questionado pelo Blog do Josias, que fica hospedado dentro do portal UOL, sobre a ascensão de críticas contra o Judiciário. Nisso, o senador enfatizou que há muita falta de informação e disse que ouvem-se até falas com a referência de "acabar de vez" com o Supremo. Entretanto, o senador explicou que isso está fora de cogitação e que o objetivo da CPI Lava Toga é justamente o contrário.

Vieira justificou que a CPI pretende fazer uma avaliação sobre as cortes superiores, com isso, poderão ser identificados problemas no âmbito estrutural ou operacional. O senador disse que fatos podem ser concluídos como crimes de responsabilidade e, caso a questão prossiga, poderão ser abertos processos de impeachment.

Entre os tópicos, no total de 13 que frisam na CPI, envolvem-se questões referentes a atos de Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Luiz Fux.

Por outro lado, o presidente do Senado enfatiza que o regimento interno proíbe que ocorram investigações envolvendo membros do Supremo, conforme artigo 146.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo