O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, decidiu revogar nesta quinta-feira (28) a nomeação da especialista em segurança Ilona Szabó de Carvalho como membro suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Em nota, a pasta afirmou que a decisão foi provocada pela "repercussão negativa em alguns segmentos".

Segundo a Folha de S.Paulo, além de ataques nas redes sociais, a revogação pelo ministro teria sido motivada por pressão do próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL). Ainda segundo o jornal, o episódio teria causado desconforto a Moro, nomeado ao cargo com um suposto compromisso de carta branca.

Críticas nas redes sociais

Após a divulgação relacionada à suposta nomeação de Ilona Szabó, grande repercussão crítica à escolha da especialista em segurança se desencadeou nas redes sociais, principalmente, por parte de apoiadores do presidente da República. Entretanto, um dia após a nomeação, o ex-juiz da Operação Lava Jato viu-se obrigado a voltar atrás e chegou a pedir desculpas a Ilona Szabó.

Nas redes sociais, alguns ataques foram feitos ao ministro, ao apontar posições tomadas por Ilona, já que seriam divergentes, em se tratando do Governo federal, no que tange a temas como política de drogas e armamentos.

Outro fator que acabou suscitando críticas contra a nomeação da especialista em segurança refere-se ao posicionamento da mesma durante o período da campanha eleitoral para a Presidência da República.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Sergio Moro

Naquele período eleitoral, Ilona Szabó foi contra a candidatura de Jair Bolsonaro.

Vale ressaltar que a ativista é contrária ao afrouxamento de regras de acesso às armas por parte da população. Além disso, a mesma já chegou a criticar alguns pontos do pacote anticrime do ministro Sergio Moro, como, por exemplo, em relação às medidas que ampliam o direito à legítima defesa.

Segundo auxiliares do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, Moro teria tentado convencer o presidente Jair Bolsonaro de que a especialista seria um bom nome e que questão de cunho ideológico não iriam interferir.

Moro teria sido desautorizado em relação à nomeação da especialista e, ao final, teve que revogar rapidamente.

Ilona Szabó se manifestou a respeito da revogação de sua nomeação, ao lamentar que o governo não tenha permitido vozes consideradas divergentes no conselho. Ela chegou a afirmar que quem ganha seria a polarização e que perderia a pluralidade e o debate de ideias. Em uma nota, o Ministério da Justiça e da Segurança Pública informou que o recuo em relação à nomeação de Szabó ocorreu devido às críticas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo