O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, chegou em terras americanas neste domingo (17) sob forte esquema de segurança. Bolsonaro foi recepcionado por algumas pessoas sob gritos de "mito" e pousou na Base Aérea de Andrews, em Maryland.

O mandatário brasileiro terá um agenda recheada de reuniões nesta semana com nomes ligados à direita, com líderes religiosos e com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Os locais por onde Bolsonaro passará foram interditados pela polícia americana para evitar qualquer contratempo.

Publicidade

O mandatário brasileiro não concedeu entrevistas na chegada à Blair House.

Em uma manifestação pelo Twitter, o mandatário brasileiro comentou que sua estadia não está sendo paga com dinheiro público e afirmou que a parceria entre Brasil e Estados Unidos só tende a assustar defensores do atraso e da tirania que existem ao redor do mundo.

Bolsonaro ainda disse que há muito tempo um presidente brasileiro "não antiamericano" não ia a Washington buscar parcerias para o progresso do país.

Na equipe destinada à segurança do presidente, tinha dez veículos e uma ambulância. Uma bandeira do Brasil foi colocada na entrada da Blair House e será retirada apenas após o presidente ir embora dos EUA.

A última vez que um presidente foi aos Estados Unidos em viagem como chefe de Estado foi quando Dilma Rousseff se encontrou com Barack Obama, em 2015. Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso também estiveram em Washington durante seus mandatos. Na época, FHC chegou a ter um jantar de gala a sua espera e foi tratado com protocolo máximo de Estado.

Publicidade

Alguns protestos

A ida de Bolsonaro para falar com Trump também causou alguns protestos no país. Um grupo de 50 pessoas chamou Bolsonaro de "fascista" e "racista". Com faixas e cartazes, eles gritavam "Not Him", que seria "Ele Não", em referência a uma hashtag utilizada contra o o capitão da reserva durante a campanha eleitoral do ano passado.

Comitiva

Bolsonaro levou com ele aos Estados Unidos vários ministros para acompanhá-lo. Entre esses ministro estão Paulo Guedes (da Economia) e Sergio Moro (da Justiça e Segurança Pública).

Segundo o jornal Correio Brasiliense, Moro disse aos jornalistas na saída do hotel Blair House sobre a importância de criar uma relação consolidada com os Estados Unidos, o que favorecia frutos bons para o Brasil num futuro próximo.

O ministro da Justiça acredita que a viagem ajudará a aproximar mais autoridades brasileiras da área de segurança com as americanas, proporcionando mais cooperações de ambos os lados.