O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse nesta última sexta-feira (15), em entrevista ao Jornal O Estado de S.Paulo, que a tecnologia visa destruir a honra da Corte. Suas falas foram ditas após o anúncio do início de inquérito que visa investigações de notícias falsas, as chamadas "fake news", e supostas ofensas e denúncias contra ministros da Corte.

Recentemente, os ministros do Supremo foram alvos de ataques vindos das redes sociais e também críticas de procuradores da força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Dias Toffoli caracterizou os ataques como uma forma de "assassinar a reputação" dos ministros da Corte. Além do mais, o ministro frisou que os atos podem estar sendo financiados por alguém. Dessa forma, enfatiza que tudo deve ser apurado e ocorrer punição no "maior grau possível". Contudo, o ministro relatou que os ataques atingem várias instituições e essa onda 'epidêmica' deve ser combatida a todo o custo.

Publicidade

Neste sábado (16), Toffoli se encontrará em um almoço com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre e o presidente do República, Jair Bolsonaro. O tema sobre os ataques será debatido durante o encontro. Outros pontos que o almoço deverá esclarecer é a firmação do pacto entre os poderes para que temas como a Reforma da Previdência e a Tributária sejam aprovados.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Lava Jato

Conforme informações do portal "Estadão", a Corte está em atenção por conta de correntes enviadas por meio de aplicativos como o WhatsApp e o Facebook, que ocorrem em um momento tenso da política brasileira. Além da pressão nas redes sociais, outra questão que causa preocupação no Supremo é com a possibilidade da instalação da CPI Lava Toga que circula no Senado. A CPI visa investigar excessos em tribunais superiores.

'Atentados ao estado democrático de direito'

Segundo Toffoli, os ataques às instituições são atentados que tentam perturbar o Estado democrático de direito, e acabam até vitimizando a imprensa séria. Toffoli alegou que o Judiciário independente e a imprensa livre são fundamentais para exercer a base da democracia.

Quem também comentou o caso foi o ministro Gilmar Mendes, que disse que há "milícias digitais" e que é necessário a melhora no sistema de defesa a fim de evitar ataques.

Publicidade

Um ponto levantado pela Corte é de que haveria um movimento internacional que estaria tentando desestabilizar o Brasil, promovendo agressões através das redes sociais.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo