O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse nesta última terça-feira (13) que pretende entrar com uma representação ao CNMP, o Conselho Nacional do Ministério Público. A representação é contra um dos procuradores que fazem parte da força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato Diogo Castor de Mattos.

A decisão de Toffoli partiu quando ele teve a informação de um artigo assinado pelo procurador que foi publicado por um site.

No artigo, o procurador questiona a competência da Justiça Eleitoral para atuar em casos que envolvem crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Em um trecho do texto, Mattos enfatiza que a Justiça Eleitoral tem em sua história resultados geralmente de não condenações e de não ter colocado ninguém na cadeia.

As falas não agradaram Toffoli. Ele caracterizou como injúria, calúnia e até difamação o pronunciamento de Mattos para o portal de notícias e ainda declarou que irá entrar com a representação no MPF.

Palavras dos procuradores

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato frisam que o envio de processos para a Justiça Eleitoral poderá retroceder as investigações da Lava Jato. A consequência disso é que a Justiça Eleitoral costuma ter posicionamento “leve” em relação a crimes comuns. Dessa forma, a Lava Jato acredita que um resultado negativo para o Ministério Público poderá afetar o rumo futuro das operações, segundo o procurador Deltan Dallagnol.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

Por outro lado, ministros do Supremo Tribunal Federal acreditam que os argumentos dos procuradores do MPF estão sendo exagerados. Conforme dizeres do ministro Marco Aurélio Mello, a decisão não afetará a Lava Jato.

Decisão sairá na sexta-feira (15)

Até agora, dois ministros do Supremo já votaram a favor de enviar crimes comuns à Justiça Eleitoral. A ideia é de que, quando os crimes comuns tiverem conexão no âmbito eleitoral, sejam julgados pela Justiça Eleitoral.

No entanto, o ministro Dias Toffoli adiou para a próxima sexta-feira a decisão.

A deliberação dos ministros, entretanto, poderá afetar sentenças já então estabelecidas pela Lava Jato. Condenados como o ex-presidente Lula e processos referentes a Michel Temer e Dilma Rousseff poderão entrar com pedidos de revisão. Com isso, haverá grandes chances de tirarem os casos da Justiça Federal e envia-los diretamente para a Justiça Eleitoral, modificando assim, as sentenças.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo