A Agência Lupa, que cuida de checar se as informações disseminadas pelo país são verdadeiras, publicou recentemente um texto em que alerta sobre três indícios de que o governo de Bolsonaro está dificultando o acesso às informações públicas. E o primeiro alerta a respeito veio ainda em novembro de 2018. Ao realizar sua primeira entrevista como presidente eleito, Bolsonaro autorizou apenas a entrada de nove veículos de comunicação do país.

Os veículos que ficaram de fora da coletiva foram: O Globo, Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, Valor Econômico, CBN e EBC.

Apesar do acesso a informação ter virado notícia, ele foi passado para o público como um contratempo. Os apoiadores do presidente na época, afirmavam que o acontecido ocorreu devido à falta de espaço no local onde estava acontecendo a coletiva. A entrevista dada pelo presidente estava ocorrendo em sua residência.

O que muitos afirmaram que seria importuno acomodar a todos.

A prática de excluir alguns veículos de comunicação, no entanto, virou parte da rotina do presidente. Recentemente, ao ter desentendimentos com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, Bolsonaro impediu que alguns veículos participassem da sua entrevista.

O alerta de número dois foi acionado quando um link sumiu de forma surpreendente do site da Sala de Apoio à Gestão Estratégica (SAGE), parte do Ministério da Saúde.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

O site oferece informações públicas a respeito de programas mantidos pelo ministério.

Na mesma semana, ocorreu o terceiro alerta a respeito. O presidente concedeu uma entrevista ao Jornal da Record, no dia 1º de abril, e foi firme em seus comentários a respeito da credibilidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Bolsonaro afirmou que os dados do Instituto a respeito da taxa de desemprego não refletem a realidade.

Esta foi uma tentativa do presidente de tirar o crédito da pesquisa que dias antes o IBGE havia publicado, dizendo que a taxa de desemprego entre 2018 e 2019 teria tido um aumento.

Órgão público rebate críticas

O órgão público, no entanto, rebateu as críticas do presidente. Eles se mostraram abertos a possíveis sugestões e estão à disposição do governo e da população que desejar saber mais a respeito do trabalho realizado por eles.

Ainda completaram que suas pesquisas seguem uma metodologia adotada de forma internacional.

Em outras esferas do país, o comportamento do presidente também é refletido. De acordo com a Agência Lupa, a jornalista da Ponte Jornalismo se inscreveu para uma coletiva de imprensa em que João Doria iria falar em São Paulo, e apesar da confirmação, não pôde falar ao microfone durante o evento. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou uma nota em repúdio ao acontecimento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo