O pai de um aluno de uma escola municipal da cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, registrou nesta sexta-feira (24), um boletim de ocorrência após o filho, de 12 anos, ter sido impedido de frequentar as aulas de História. O motivo seria que, durante um debate, o adolescente teria defendido o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Por volta das 16 horas desta sexta, o adolescente conversava com uma colega na escola na Cemei Eduardo Romualdo de Souza.

A menina disse que o Brasil era melhor na época em que era governado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), e o garoto rebateu dizendo que o atual governo tinha apenas cinco meses e, por conta disso, ainda não poderia ser cobrado. O professor ouviu o relato, intrometeu-se na conversa e pediu para que a menina mandasse o colega calar a boca.

O professor ainda seguiu com o assunto durante a aula, perguntando se os demais alunos da turma concordavam com o que a menina tinha dito, isto é, que o Brasil era melhor na época em que estava nas mãos do Partido dos Trabalhadores.

Após o isso, o professor ainda teria dito que o garoto, só por citar o nome de Bolsonaro, estaria impedido de participar das próximas aulas. “Espero que ele seja afastado das suas funções", esbravejou o homem. "E que vá para Cuba ou Venezuela”, disse o pai do garoto, que entregou o Boletim de Ocorrência para Felipe Miguel, secretário de educação da cidade.

A Secretaria de Educação disse que irá apurar o caso e que serão tomadas todas as providências para que o estudante tenha seus direitos preservados.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

O Sindicato dos Servidores Municipais da cidade também foi questionado a respeito do assunto, e disse que ainda não conseguiu falar com o docente, e que também busca mais informações sobre os fatos.

Professor já trabalhou para o PT

A reportagem do portal UOL tentou contato com o professor, mas ele não foi localizado. Por meio de checagem nas redes socais, o portal apurou que ele teria sido funcionário do Partido dos Trabalhadores, e que, nos anos 90, foi assessor do ex-ministro Antonio Palocci Filho na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

Presidente publicou vídeo de professora

No final do mês passado o presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo gravado por uma aluna em sala de aula, o qual mostra uma professora fazendo duras críticas a Olavo de Carvalho, chamando o filósofo em determinado momento de “anta”.

A aluna acusou a professora de ter usado 25 minutos que eram para ter sido utilizados dando aula - que era de gramática -, para expor sua visão política partidária.

A professora justificou dizendo que estava dando aula de "jornal", e que se a aluna tivesse algo contra que fosse conversar com a direção. A menina disse então que passaria a gravar todas as aulas dadas por ela.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo