A Justiça do Rio de Janeiro determinou, na tarde desta segunda-feira (13), a quebra dos sigilos fiscais e bancários do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e de Fabrício Queiroz, que é ex-policial militar e também foi assessor do filho do presidente da República.

A quebra ocorreu no dia 24 de abril de 2019, porém só foi noticiada agora pelo jornal O Globo. A quebra do sigilo foi solicita pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

A investigação não alcança apenas o senador e seu ex-assessor, já que os familiares também são alvos da Justiça. Para isso, a Justiça também autorizou a quebra do sigilo fiscal e bancários de Fernanda Bolsonaro, esposa do senador, e também uma empresa que pertence aos dois, a Bolsotini Chocolates e Café LTDA, além das duas filhas de Fabrício Queiroz, Nathalia e Evelyn, e também a esposa de Queiroz, Márcia.

A defesa de Fabrício Queiroz diz que a quebra do sigilo bancário e fiscal do ex-assessor já havia sido autorizada e que esta é uma mera tentativa de fazer parecer legal um ato que foi ilegal desde o início. Já a defesa do senador Flávio Bolsonaro também afirmou que suas contas bancárias haviam sido expostas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Flávio Bolsonaro ainda diz que todo o caso é uma tentativa de danificar a imagem do pai.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Jair Bolsonaro

Entenda o caso

A quebra do sigilo bancário do senador Flávio Bolsonaro e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz é consequência de uma investigação que começou com a divulgação de um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). Na ocasião, outros 74 funcionários e ex-servidores da Alerj também estavam apontados no relatório.

Em um espaço de um ano, foi detectada uma movimentação de aproximadamente R$ 1,2 milhão na conta bancária de Fabrício Queiroz, o que chamou a atenção do órgão.

Também chamou a atenção o depósito de um cheque no valor de R$ 24 mil para Michele Bolsonaro, esposa de Jair Bolsonaro. Na época, o presidente negou qualquer depósito suspeito na conta da mulher.

Decreto de armas pode ser modificado

Nesta segunda-feira (13), o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, disse que o presidente Jair Bolsonaro está disposto a flexibilizar o decreto que permite o porte de armas, editado na semana passada.

Segundo o porta-voz, o presidente está disposto a flexibilizar alguns pontos do decreto em diálogo com o Congresso Nacional, para, eventualmente, adaptar o decreto que foi assinado na última semana.

Ainda segundo Rêgo Barros, o presidente deve divulgar na terça-feira (14), um vídeo explicando alguns pontos polêmicos do decreto das armas, como vem sendo chamado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo