Depois das muitas polêmicas envolvendo críticas ao ministro da Secretaria do Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, o escritor Olavo de Carvalho afirmou que não vai mais se meter na Política brasileira. Em entrevista ao site Crítica Nacional, ele disse que o debate político brasileiro "se tornou uma coisa absolutamente insustentável".

Publicidade
Publicidade

Olavo fez duras críticas aos militares que estão no governo, principalmente a Santos Cruz. Ainda disse que eles "ganharam" e que "podem ficar com o Brasil".

O escritor disse que os militares quiseram tirar ele do meio e conseguiram. Segundo Carvalho, agora ele vai ficar quieto e não vai comentar mais nada da politica brasileira. O professor ainda disse que o Brasil escolheu o seu caminho e escolheu as pessoas nas quais irá confiar. No entanto, segundo ele, essas pessoas não merecem a confiança dos brasileiros e, agora, vão se “danar”.

Olavo de Carvalho disse que os militares venceram e "tamparam" sua boca. (Arquivo Blasting News)
Olavo de Carvalho disse que os militares venceram e "tamparam" sua boca. (Arquivo Blasting News)

Para Olavo, o objetivo da ala militar do governo é cortar relação com os Estados Unidos e Israel e ter uma relação mais concreta com a China.

Considerado guru da família Bolsonaro, Olavo nega que exista uma ala “olavista” dentro do governo. Ele diz que isso é uma invenção de generais e jornalistas, que nas palavras dele são loucos.

Ainda durante a entrevista, o escritor nega ter ofendido o ex-comandante do Exército e assessor do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Eduardo Villas Bôas.

Publicidade

No último dia 7 de maio, o filósofo afirmou em mensagem em uma rede social que o general da reserva era um “doente” e estava preso numa cadeira de rodas. Para Olavo, dizer que um homem que está doente em uma cadeira de rodas não é ofendê-lo.

Olavo x militares

Desde o começo do governo Bolsonaro, a troca de farpas entre o escritor e a ala militar tem sido constante. Uma das brigas mais recentes foi entre o Olavo e Villas Bôas. Após criticas do escritor às Forças Armadas, o general Villas Bôas disse, em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, que o escritor era um "Trótski de direita" e o que ele estava prestando um grande desserviço ao Brasil, já que o país precisa muito de união, mas que Olavo promove a discórdia.

Olavo também se envolveu em discussões com o vice-presidente Hamilton Mourão. Em março, o escritor chamou o Mourão de idiota. Já o vice-presidente ironizou Olavo dizendo que ele deveria se limitar à função de astrólogo, após o escritor aparecer em vídeo na internet fazendo críticas aos militares no mês de abril.

Leia tudo