De acordo com as informações divulgadas neste domingo (28) pelo jornal Folha de S.Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está vivendo grandes momentos de ansiedade e ceticismo quanto a sua chance de ficar livre. Segundo a matéria, aliados teriam relatado que há muitos interesses por trás da libertação do líder do PT. Eles chegaram a fazer provocações afirmando que, embora os métodos da Lava Jato fossem questionados, as Forças Armadas, o governo, o mercado e a mídia não querem o ex-presidente livre da cadeia.

Lula cumpre pena por corrupção e lavagem de dinheiro na ação do tríplex de Guarujá, no litoral de São Paulo. Pessoas próximas ao petista, que o visitam regularmente na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba disseram que notaram Lula inquieto nos últimos dias. O petista já não vê muitas possibilidades dele conseguir mudar a sua situação. Para seus aliados, várias instituições defendem o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Embora diálogos vazados tivessem mostrado supostos atos de parcialidade do ex-magistrado, Moro mantém ao seu lado vários apoiadores.

Com a prisão dos hackers, suspeitos de terem vazados diálogos entre o ministro e o procurador da República Deltan Dallagnol, Moro acabou ganhando mais forças e muitos viram que ele virou o jogo, após ter sido muito pressionado com esses vazamentos. Vale ressaltar que o ministro teve que ir ao Senado e à Câmara para explicar sobre as mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil.

Na concepção do grupo mais próximo de Lula, apenas o Supremo Tribunal Federal (STF) pode colocar em ordem a situação do petista.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lava Jato Lula

No entanto, segundo a Folha, os aliados do ex-presidente veem os ministros da Corte envoltos de pressão e que uma mudança radical no futuro de Lula ainda é muito pequena.

Disputa no PT

Outro ponto que tem deixado Lula preocupado é a disputa que está envolvendo o seu partido. O grupo principal do PT almeja que o candidato derrotado à Presidência do Brasil, Fernando Haddad, tome o bastão e seja o líder do partido, tornando-se o presidente da legenda. Entretanto, Lula quer que o posto continue com a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT).

Prisão

Em agosto, Lula completará 500 dias preso, segundo lembraram seus auxiliares. Um dos fatos que deu um pouco de ânimo ao petista foi a visita do candidato à Presidência da Argentina Alberto Fernández na Superintendência da PF. O candidato, por enquanto, está em primeiro lugar nas pesquisas.

Mesmo Lula não sendo amigo próximo dele, viu no gesto de Fernández algo importante de apoio.

Em síntese, o petista ainda pode ser alvo de mais uma condenação em breve. O caso do sítio de Atibaia está caminhando para a reta final e os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) poderão novamente decidir sobre os supostos atos cometidos pelo líder do PT.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo