De acordo com o jornal O Globo, ao que parece, há um entrave politico para as reformas jurídicas propostas pelo pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, após a morte da menina Ágatha Vitória Sales Félix, de apenas 8 anos, ocorrida na última sexta-feira (20), no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro. A suspeita é de que a garota tenha sido morta por um tiro disparado por um PM durante ação policial na região.

Com a repercussão do caso, as discussões chegaram até as redes sociais e várias celebridades e pessoas públicas começaram uma grande discussão.

Porém, ao que parece, a discussão chegou ao Congresso Nacional e pode criar vários entraves na aprovação do projeto anticrime do ministro Moro.

Segundo O Globo, o grupo de trabalho da Câmara dos Deputados que estuda o projeto deve discutir nesta terça-feira (24) o trecho que aborda o excludente de ilicitude, que relaxa a punição de agentes que cometam crimes sob "violenta emoção".

Segundo o jornal O Globo, o deputado escolhido para ser relator do texto do projeto anticrime, Capitão Augusto (PL-SP), disse que esse ponto do projeto já está fadado a não ter aprovação, porque os deputados que compõem o grupo de análise, em sua maioria, são parlamentares que se opõem a ele.

No último sábado (21), um dia depois da morte da menina, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), escreveu no seu perfil no Twitter que se solidariza com a família da menina morta e que sabe o tamanho dessa dor da perda. Na mesma postagem, Maia defende uma avaliação muito mais rigorosa na parte do excludente de ilicitude.

Moro defende o pacote anticrime

O ministro da Justiça foi no último domingo (22) ao Twitter para defender e rejeitar que existam alguns fatores do pacote anticrime relacionados à morte da menina Ágatha.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Sergio Moro Governo

Moro ressaltou que não há nenhuma relação no seu projeto com a morte da criança. O ministro escreveu que também lamenta a morte da menina.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo