Nesta segunda-feira (23), o blog do repórter Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo, publicou que a Polícia Federal acredita ter encontrado uma conversa entre Luiz Henrique Molição --suspeito de envolvimento no hackeamento das contas de Telegram de autoridades como o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol-- e o jornalista americano Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, responsável pela vazamento de mensagens de membros da Operação Lava Jato.

Molição foi detido nesta última segunda-feira passada (19), na segunda fase da Operação Spoofing, da Polícia Federal.

Molição e Gleen

Segundo a reportagem, o áudio creditado pela PF a Gleen e Molição estava no celular do suposto hacker. De acordo com os investigadores, a conversa teria ocorrido no dia 7 do mês de junho. Nela, Molição teria feito referência ao "grupo que pegou o Telegram de várias pessoas".

"Chegamos à conclusão de que eles estão fazendo um jogo para tentar desmoralizar o que tá acontecendo", teria afirmado Molição, que depois completou: "então, é… a gente… eu estava discutindo com o grupo… eu queria falar com você um assunto".

Na representação pela prisão de Molição, a PF afirma que "analisando o perfil de instagram '@luiz.molicao' foi identificado um vídeo no stories no qual seria possível ouvir a voz de Luiz Molição, que segundo a equipe policial, aparenta ter semelhança com a voz do interlocutor do jornalista Glenn Greenwald na gravação de áudio acima mencionada".

A PF afirma que houve vários contatos entre Molição e Walter Delgatti Neto, mais conhecido como "vermelho", que admitiu ter feito parte dos vazamentos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Lava Jato

Em depoimento, Neto afirmou não ter recebido dinheiro pelas informações, mas apontou que a ex-deputada Manuela D'Àvila (PCdoB) intermediou o contato com o The Intercept Brasil.

Quanto aos investigados, a polícia apura se houve algum tipo de patrocínio, e, se houve, quem foi o responsável. De acordo com as investigações, relatórios das contas dos investigados apontam um salto incompatível com os vencimentos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo