O presidente Jair Bolsonaro, citado nas investigações do caso Marielle, afirmou nesta quarta-feira (30) que recebeu a notícia através do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, no último dia 9 de outubro. Um porteiro que trabalhava no condomínio Vivenda da Barra, localizado na Barra da Tijuca, citou o nome de Bolsonaro durante as investigações sobre a morte de Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. De acordo com o portal G1, o presidente possui uma casa no condomínio onde Ronnie Lessa, um dos suspeitos do crime, também possui residência.

Depoimento do porteiro

Na última terça-feira (29), o "Jornal Nacional", da Rede Globo, noticiou que o porteiro do condomínio revelou à Polícia que horas antes dos assassinatos, no dia 14 de maio de 2018, um dos suspeitos, identificado como Elcio Vieira de Queiroz, chegou ao local dizendo que iria à casa do então deputado Jair Bolsonaro e que teria tido autorização para entrar.

O porteiro, que não teve seu nome revelado, afirmou em dois depoimentos que teria reconhecido a voz de Bolsonaro quando ligou para o apartamento pedindo liberação para a entrada de Elcio.

Os registros de presença da Câmara dos Deputados foram analisados e demonstraram que Jair Bolsonaro estava em Brasília no dia do crime. Como o nome do presidente foi citado, caberá ao Supremo Tribunal Federal (STF) analisar o caso.

Após a repercussão do caso, na noite da última terça-feira (29), Bolsonaro se pronunciou e acusou o governador Wilson Witzel de fornecer informações à imprensa, o que foi negado por Witzel posteriormente.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Jair Bolsonaro

A Polícia Civil afirmou através de nota que não havia recebido qualquer informação do governador do Rio de Janeiro. Bolsonaro se encontra em uma viagem internacional à Arábia Saudita e concedeu entrevista a jornalistas na manhã desta quarta-feira (30), onde voltou a acusar Witzel e afirmar que o governador já havia lhe passado a informação no último dia 9 de outubro em um evento no Clube Naval do Rio de Janeiro.

Presidente nega envolvimento

Segundo o portal R7, Jair Bolsonaro concedeu entrevista à Record TV e negou qualquer envolvimento no caso Marielle, reafirmando não estar no Rio de Janeiro no dia das informações citadas pelo porteiro. O presidente ainda atacou a Rede Globo, acusando-a de querer colocar a população contra o Governo. Bolsonaro se colocou à disposição da Polícia Civil para prestar depoimento e esclarecer o assunto.

O presidente culpou o governador Witzel pelo vazamento das informações, alegando motivação política. Bolsonaro afirmou, ainda, que o governador do Rio de Janeiro somente teria conseguido se eleger graças a seu filho Flávio Bolsonaro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo