O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) deu uma declaração a respeito da situação atual pela qual o país vem passando devido à crise contra o coronavírus. Para ele, é visível uma ausência de liderança em relação ao presidente da República, Jair Bolsonaro, nesse momento da crise.

Ele acredita que o presidente não tem demonstrado ações em relação ao combate do coronavírus, que tem se alastrado pelo Brasil. O ex-candidato à presidência ainda aproveitou o momento para criticar a influência que os militares têm tido atualmente em relação às decisões que o Governo federal têm tomado e as atitudes que estão sendo feitas pelo governo.

Haddad não poupou críticas a Jair Bolsonaro durante entrevista à CNN Brasil. "O presidente não tem capacidade de tomar uma decisão resolutiva sobre o que quer que seja", disparou o antigo adversário de Bolsonaro.

A declaração do ex-prefeito de São Paulo foi dada à CNN Brasil em uma entrevista para o veículo. Ele ainda declarou que o presidente entra em confronto em várias situações com a sua própria equipe, e precisa, em seguida, consultar os militares para saber como ele deverá agir em relação às situações que estão sendo abordadas. Haddad questionou ainda se é preciso que haja a autorização dos militares para que ele possa demitir o ministro da Saúde, por exemplo, neste momento.

Haddad é crítico ferrenho de Bolsonaro

A crítica feita por Haddad foi em relação aos rumores de que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem adotado um discurso alinhado com o que está sendo proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ao contrário do que vem sendo difundido pelo presidente da República, e que, devido a isso, ele iria ser demitido de seu cargo, como foi apontado há alguns dias que iria acontecer.

Na época, os auxiliares, que são chamados de núcleo militar do governo, haviam se posicionado contrários em relação à situação em questão, devido a uma eventual troca de comando na pasta.

Ainda durante a entrevista, Haddad emitiu comentários a respeito do ministro da Educação, Abaham Weintraub, que recentemente havia usado uma imagem de cunho racista para relacionar a China à covid-19.

Na declaração, ele alegou que está cheio de ministro que precisa ser demitido do governo, e que não está sendo da mesma forma como apontaram os rumores contra Mandetta.

Ele ressaltou a respeito do ministro da Educação, que não foi repreendido pelo que ele havia falado nas redes sociais e pelo assunto que não faz nem mesmo parte da área do mesmo.

Novamente, Haddad falou que falta liderança a Bolsonaro diante do seu governo e que ele tem demonstrado que não tem a menor condição de comandar o país neste momento de crise.

Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!