Nesta segunda-feira (11), o ex-diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, prestou depoimento na sede da PF, em Brasília, sobre o inquérito que investiga suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro ao tentar trocar o comando da corporação.

A oitiva, realizada na parte da manhã, foi pedida pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello ao acatar o pedido de investigação do caso envolvendo o presidente e o ex-ministro da Justiça Sergio Moro feito pela Procuradoria-Geral da República.

Bolsonaro e a troca na PF

No depoimento prestado nesta segunda, Valeixo revelou que, em conversa com Bolsonaro, o presidente afirmou que não tinha nada contra ele, mas que a mudança na direção da Polícia Federal seria para colocar um dirigente com quem tivesse "maior afinidade".

O principal eixo da investigação é de que o presidente teria interferido na gestão da PF ao pedir a troca de Valeixo para um nome com o qual fosse mais próximo. O que poderia interferir em investigações que envolveriam seus filhos e pessoas próximas de Jair Bolsonaro.

Ramagem também depõe

O nome que seria o sucessor de Valeixo no comando da PF também participou nesta segunda de depoimento. Alexandre Ramagem, diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), depôs na PF na parte da tarde, assim como Ricardo Saadi, que era o antigo chefe da Polícia Federal no Rio de Janeiro.

O presidente chegou a tentar empossar Ramagem, que é nome bastante próximo dos Bolsonaro na chefia da Polícia Federal, mas foi impedido em ação do STF, que posteriormente seria extinta.

Mas o dirigente ainda não foi colocado na vaga, que é ocupada por seu braço direito na Abin, Rolando Alexandre.

Segundo manifestação da Advocacia-Geral da União (AGU), a nomeação de Ramagem para cargo teria seguido "critérios técnicos" e que não seria para tentar interferir em investigações que pudessem atingir o núcleo próximo do presidente.

Mais depoimentos e vídeo de reunião de Bolsonaro

O possível "grande momento" da investigação acontecerá nesta semana quando a PF exibirá o vídeo gravado da reunião ministerial feita no último dia 22. Nesta reunião, o presidente Jair Bolsonaro teria feito nova pressão para que Moro substituísse o diretor-geral da Polícia Federal e também seu superintendente no Rio de Janeiro.

O vídeo virou instrumento de polêmica graças à recusa inicial do governo em entregar a gravação com a tal reunião, para depois cogitar entregar o vídeo editado do encontro até ceder e entregar as imagens definitivas.

Celso de Mello concedeu a algumas autoridades permissão para assistir ao vídeo, como Augusto Aras (procurador-geral da República) e José Levi do Amaral (advogado-geral da União). Sergio Moro também irá para o encontro, que está marcado para as 8h de terça-feira (12).

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Sergio Moro
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!