Nos últimos dias o humorista Rafinha Bastos tem usado as suas redes sociais para fazer uma série de críticas ao comportamento das pessoas durante a quarentena, bem como à maneira de agir das marcas e a gestão do presidente Jair Bolsonaro durante o período de crise.

Devido aos fatos destacados, é possível afirmar que Rafinha também não deixou passar a batida a entrevista concedida pela atual secretária especial de Cultura, Regina Duarte, à emissora CNN Brasil, ainda na semana passada.

Ao falar sobre a entrevista em questão, Rafinha Bastos confessou que chegou a ficar surpreso com a recepção das pessoas, em especial em relação à tentativa da atriz de minimizar a violência ocorrida no Brasil durante a ditadura militar.

O humorista afirmou que, para ele, Regina Duarte é a secretária de Cultura perfeita para o Governo de Jair Bolsonaro, visto que ela é uma mulher doente que faz parte de um governo igualmente doente.

Portanto, a surpresa das pessoas com o seu posicionamento é algo que Rafinha não consegue entender, visto que as posturas do governo e da Secretaria de Cultura estão alinhadas na visão do humorista.

De acordo com Rafinha Bastos, ele se surpreenderia se as declarações de Regina Duarte tivessem partido de uma pessoa que ele considera racional ou mesmo de alguém que sabe o que está falando, no sentido de ter conhecimento e capacidade de analisar a história.

Na ocasião, o humorista ainda citou que chegou a se surpreender com o posicionamento do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta durante a pandemia, em um sentido positivo da surpresa, mas ele acabou deixando o cargo dois meses depois exatamente por ir na “contramão” do governo de Jair Bolsonaro.

Rafinha critica Gabriela Pugliesi

Ainda durante as suas falas, Rafinha Bastos chegou a comentar a respeito do caso da influenciadora digital Gabriela Pugliesi, que promoveu uma festa em sua casa para amigos próximos e compartilhou vídeos da ocasião nas suas redes sociais, perdendo uma série de patrocínios e chegando a desativar a conta no Instagram para fugir das críticas que vinha sofrendo.

Em outras ocasiões, o humorista também comentou sobre a polêmica envolvendo a marca Osklen, que anunciou a venda de máscaras por R$ 147 e, devido à repercussão negativa da atitude, acabou voltando atrás e desistindo de vender o produto em questão.

De acordo com Rafinha, não existe problema nenhum nas marcas tentarem obter lucro durante a pandemia, desde que os itens de segurança não sejam transformados em artigos de luxo, como foi o caso da máscara em questão, item que chegou a estar em falta nos hospitais em um determinado momento.

Siga a página Famosos
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!