O ministro da Saúde do governo Bolsonaro, Marcelo Queiroga, pode ser convocado novamente para prestar depoimento à CPI da Covid. Isto porque, segundo o vice-presidente da CPI, Radolfe Rodrigues (Rede-AP), a maioria dos membros da comissão consideraram que as respostas dadas pelo atual ministro na semana passada "não foram satisfatórias".

"Os fatos podem apontar para um novo depoimento do ministro. Há elementos que fortalecem a possibilidade de reconvocação. Mas vamos concluir o mês de maio. Temos agenda prevista até última semana de maio. Vamos ver os desdobramentos", disse Randolfe durante entrevista nesta segunda-feira (10) à CNN Brasil.

Randolfe fala sobre agenda da CPI da Covid

Ainda durante a entrevista, o senador falou sobre os próximos passos da comissão. Ele afirmou que os principais assuntos a serem debatidos na CPI serão a aquisição, aprovação e negociação de vacinas contra o coronavírus.

Sobre a programação, o senador indicou que o diretor da Anvisa, Antonio Barras Torres, será o primeiro a participar. Será analisado se houve uma possível interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na agência. Randolfe afirmou que é importante interrogar se houve algum tipo de intervenção política de Bolsonaro no que diz respeito às vacinas.

Além disso, o senador também disse que vai interrogar se a aquisição dos imunizantes contra a Covid-19 poderia ter sido mais rápida.

Outra questão apontada por Randolfe é a que diz respeito ao registro da vacina Sputnik V.

Fábio Wajngarten participará de CPI da Covid

O ex-secretário de Comunicação do governo Bolsonaro Fábio Wajngarten será ouvido pela CPI da Covid na próxima quarta-feira (12). Segundo Randolfe, o ex-secretário disse para ele que já defendeu as vacinas e que se dependesse dele já teria adquirido o imunizante há muito mais tempo.

O senador ressaltou que é de fundamental importância o discurso de Wajngarten para comparar com o depoimento da Pfizer que será na quinta-feira (13). Vale ressaltar que neste dia a CPI ouvirá Carlos Murilo, o presidente da Pfizer.

Além disso, é esperado que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello participe da comissão na semana que vem, dia 19.

O vice-presidente da CPI disse que Pazuello participará como testemunha e que tem que honrar a obrigação de falar somente a verdade, sob pena de detenção.