Nesta quarta-feira (1º), a corretora Genial divulgou os resultados de uma pesquisa de intenções de votos para as Eleições presidenciais do ano que vem. Duas mil pessoas participaram da pesquisa e a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa indiciou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode derrotar o atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e vencer a corrida ainda no primeiro turno.

Voto espontâneo

Uma das enquetes da pesquisa é a de voto espontâneo, na qual não são apresentados os nomes dos candidatos.

Nesta modalidade, Lula alcançou 23% das intenções de votos, contra 15% de Jair Bolsonaro. Em comparação às últimas pesquisas, Bolsonaro perdeu três pontos em relação ao mês de julho.

O ex-ministro e ex governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) não avançou nas pesquisas e marcou 1% das intenções de votos. Os eleitores que citaram outros candidatos ou afirmaram que não votariam em nenhum deles somaram 2% e a margem dos indecisos ficou em 58%.

Nomes apresentados

Nos cenários em que os nomes dos candidatos à presidência são apresentados aos eleitores, Lula liderou em todos os aspectos, com margens acima de 44%. Nos diferentes cenários foram indicados como candidatos Jair Bolsonaro, Lula, Ciro Gomes, João Doria (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEM), Rodrigo Pacheco (DEM), José Luiz Datena (PSL), Eduardo Leite (PSDB) e Simone Tebet (MDB).

Em todos os cenários a disputa direta para um possível segundo turno seria entre Lula e Bolsonaro. Enquanto as intenções de voto para Lula giram em torno de 45%, as de Bolsonaro não ultrapassaram a casa dos 26%.

Segundo turno

De acordo com a pesquisa, se eventualmente ocorresse um segundo turno entre o atual presidente e o petista, Lula venceria Jair Bolsonaro com 55% da intenção de votos, contra 30% do atual chefe do Executivo federal.

No mês de agosto, Lula tinha 54%, e Bolsonaro, 33%, o que mostra um aumento de votos para o petista e uma queda na intenção de votos para o atual presidente.

Ainda de acordo com o resultado das pesquisas, Bolsonaro só venceria um segundo turno nas eleições caso seu concorrente fosse Rodrigo Pacheco, e mesmo nesta possibilidade a disputa seria bastante acirrada, com uma pequena margem de 3%.

As pesquisas mostraram também que em um eventual segundo turno, o petista venceria qualquer um dos possíveis candidatos à presidência.

Bolsonaro

A rejeição do atual presidente aumentou de julho para agosto. A avaliação negativa do atual Governo chegou à 48%, ante 44% no mês anterior. Da mesma forma, a avaliação positiva sobre Bolsonaro diminuiu de 26% para 24%.

As avaliações negativas do atual governo tiveram aumento nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, sendo o Nordeste a região que apresentou maior crescimento de rejeição.