Agentes da Polícia Civil do Rio de Janeiro, fizeram a prisão na noite de quinta-feira (10), do homem que seria o suposto responsável pela morte da menina Estela Evangelista de Oliveira, de 6 anos. O corpo da criança foi encontrado após seu desaparecimento no Morro dos Prazeres, em Santa Tereza, nas proximidades da residência da família. Estela tinha sinais de estrangulamento e não aparentava ter sido violentada sexualmente na hora da morte.

O suspeito detido seria o próprio tio da menina, Paulo Sérgio Evangelista da Costa, de 29 anos, que na delegacia teria assumido a autoria do crime.

Em seu depoimento, Paulo teria revelado aos policiais que teria matado a criança após ela brigar com seu irmão mais novo, e que na hora do crime, estaria sobre o efeito de drogas.

Conforme Paulo, no dia do crime ele teria perdido a paciência com Ester e teria enchido a boca da criança com pedaços de tijolos. Após a menina gritar ele a enforcou e depois colocou o corpo dela em uma cama para que pensassem que ele estaria dormindo. Pela manhã, no sábado, o homem disse que colocou o corpo da criança em um saco e o deixou onde foi encontrado.

Conforme os agentes civis, Paulo seguirá detido e um pedido de prisão preventiva contra ele será enviada ao Tribunal Judiciário da região.

O desaparecimento e descoberta do corpo

De acordo com a família da criança, Estela estava desaparecida desde o último sábado (05), após ter saído com o tio, que segundo ele, a levaria para a praia do Flamengo, na Zona Sul do Rio.

Depois disso, o homem não retornou mais a residência da família com a menina.

De acordo com uma tia da menina, o corpo de Estela foi localizado sob uma escadaria nas proximidades da residência em que morava com a mãe no alto do Morro dos Prazeres nesta quarta-feira (09). Estela foi reconhecida por seus familiares através do reconhecimento de suas roupas e de um colar que estava utilizando no dia em que desapareceu com o tio.

O corpo de Estela foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade, onde exames comprovaram que a criança teria sido morta por enforcamento, e que não havia sido abusada sexualmente antes do crime.

A prisão

Após o desaparecimento da criança, o tio também não teria voltado para casa e conforme informações recebidas pela mãe de Ester, ele teria sido visto perambulando no Aterro do Flamengo, e estaria dormindo em um casarão abandonado.

Ela então, começou a procurar pelo paradeiro do homem mostrando fotografias para as pessoas na região. Foi então, que um morador de rua teria reconhecido Paulo Sérgio por conta de sua tatuagem e acionou a polícia após ficar sabendo do crime pela mãe.

“Eu vi o Paulo pela primeira vez na segunda-feira e fiquei três dias com ele, que não queria aparecer muito. Ele me parecia uma pessoa normal, pois comia e dormia normalmente e não aparentava ter remorso de alguma coisa. Após a irmã dele aparecer com uma fotografia, eu o reconheci, e depois dela me dizer o que teria ocorrido, eu fui atrás da polícia para dizer onde ele estava”, explica o morador de rua.

Após saber do paradeiro do homem, policiais que estavam fazendo um patrulhamento no Aterro realizaram uma busca no local e conseguiram localizar Paulo.

O suspeito então foi encaminhado para o Departamento de Polícia do Catete e depois levado para a sede da Delegacia de Homicídios da região.

O corpo de Estela foi velado e sepultado nesta sexta-feira as 14h no Cemitério São Francisco Xavier, no bairro do Caju. A mãe da menina não compareceu ao enterro da criança, pois estava com medo de represálias. Segundo a mulher, após o desaparecimento da filha, ela teria sido agredida por traficantes da localidade e estaria planejando em sair do Rio de Janeiro.

Ela foi submetida a um exame de corpo de delito onde a agressão foi comprovada.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!