Alguns desavisados podem até questionar em que Aristóteles (384-322 a.C) pode contribuir com a sociedade brasileira, uma vez que ele viveu num período muito distante dos dias atuais. Apesar de ter vivido na antiguidade, as suas ideias parecem que foram escritas para o Brasil de hoje, sobretudo num momento de crise como esta que o país atravessa. Ao ler a sua obra, principalmente o livro Ética a Nicômaco, pode-se encontrar verdadeiros tesouros, como os que seguem.

1. O cuidado com a república. Em primeiro lugar, para Aristóteles “o governante deve ser um líder virtuoso e moralmente comprometido com a república”. De um modo geral, Aristóteles está afirmando que o homem público deve ser ético e comprometido com o povo. Pode-se dizer, ainda, que Aristóteles apresenta o procedimento do homem prudente como um valor, cuja opinião dos homens mais velhos, a experiência da vida e os costumes da cidade são condições objetivas para a vida feliz na cidade.

2. O homem é um animal político. Em segundo lugar, Aristóteles afirma que “toda ação humana é uma ação Política”. Logo, se o povo entendesse isso, não teríamos de um lado os chamados “políticos profissionais” - aqueles que se elegem como representantes do povo apenas para ganhar dinheiro - e, de outro, o cidadão comum, que por pensar que política é atividade apenas dos “políticos profissionais”, perde a capacidade de lutar por direitos fundamentais, como educação de qualidade, saúde, moradia, transporte, segurança.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Para Aristóteles, a finalidade da política é a busca do bem de todos os homens.

3. O conhecimento é a única riqueza que quando é dividida automaticamente se multiplica. Em terceiro lugar, Aristóteles afirma que “todos os homens têm, por natureza, o desejo de conhecer”. Isto significa que, se o homem deseja ser bom, virtuoso, sábio, ele tem que “praticar o bem com os seus” e não por meio de “exercícios filosóficos”, de elevação da alma racional sobre a alma animal, como ensinava Platão.

Para Aristóteles, o conhecimento humano vai sendo formado e enriquecido por acúmulo das informações trazidas por todos os sentidos, de modo que, em lugar de uma ruptura entre o conhecimento sensível e o intelectual, há uma continuidade entre eles. Assim, as informações trazidas pelas sensações se organizam e permitem a percepção. As percepções, por sua vez, se organizam e permitem a imaginação. Juntas, percepção e imaginação conduzem à memória, à linguagem e ao raciocínio.

4. A ética é uma virtude em ação que os homens podem praticá-la. Como filósofo prático, Aristóteles entendia a ética a partir do ethos (do costume), da maneira concreta de viver vigente na sociedade. É exatamente o ethos que funciona como elo entre as esferas jurídica e política, que se estabelecem como guias para a cidadania plena. Para ele, as ordens jurídica e política sustentam o ethos, isto é, o viver eticamente na república, buscando sempre a prática do bem.

Isto significa que, se os homens públicos no Brasil praticassem o que ensina Aristóteles, o país não estaria nessa crise ética, que é a causa de todas as outras crises, principalmente à crise econômica. Enfim, é como diz Mário Sérgio Cortella: “A punição que os bons sofrem quando se recusam a agir, é viver sob o governo dos maus.”

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo