O ano de 2018 não encerrou da melhor forma para o Facebook. A empresa de Mark Zuckerberg ficou marcada pelos escândalos de divulgação de dados de seus usuários com empresas como a Microsoft, Amazon e Yahoo. Segundo um relatório da companhia de Tecnologia e dados Bloomberg, após os ocorridos do último ano as ações do Facebook caíram cerca de 38%. O declínio reduziu US$ 32,7 bilhões do patrimônio líquido do CEO, deixando-o em sétimo lugar no Bloomberg Billionaires Index, uma lista das pessoas mais ricas do mundo.Para 2019, a gigante de tecnologia terá de reformular seu modelo de Negócios ou sofrerá com medidas regulatórias e multas altas.

Publicidade
Publicidade

Além disso, dois agentes podem fazer mais do que qualquer regulador para restringir o poder do Facebook. Estes são os agentes que deram a ele esse poder, o usuário e o investidor.

Multa bilionária na União Europeia

No dia 14 de dezembro, o Facebook revelou que um bug no sistema deu a centenas de aplicativos o acesso não autorizado a fotos particulares de 6,8 milhões de usuários. O erro permitiu que as informações fossem acessadas por 12 dias, entre 13 e 25 de setembro.

Publicidade

Após o ocorrido a Comissão de Proteção de Dados da Irlanda - responsável pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia (GDPR, na sigla em inglês) - deu início a uma investigação sobre a empresa depois de receber uma série de notificações de violações. Caso a gigante da mídia social chegue a ser penalizada, o custo saíra alto. No que diz respeito ao Regulamento GDPR, é possível que uma empresa seja multada em até 4% de sua receita global. No caso do Facebook, essa multa poderia chegar a US$ 1,5 bilhão.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Tecnologia Negócios

Acordo assinado nos Estados Unidos

O Facebook também está sendo alvo de investigação devido a um “decreto de consentimento” assinado, em 2011, com a Federal Trade Commission (FTC). No documento a companhia concordou em não compartilhar os dados de seus usuários sem consentimento. Em caso de violação, a agência pode multar o Facebook em até US$ 40 mil por dia e por infração. Mas David Vladeck, ex-chefe de proteção ao consumidor da mesma comissão, disse ao jornal Washington Post que o intuito não é colocar as empresas fora dos negócios, mas sim, conscientizar e impedir que o Facebook e outras companhias sejam indiferentes quanto à proteção dos dados do consumidor.

A luta de Zuckerberg para consertar o Facebook

Em uma nota de final de ano, Zuckerberg admitiu que ainda tinha muito trabalho a fazer, mas que já vem implementando mudanças como a contratação de mais de 30 mil pessoas e um investimento anual de bilhões de dólares, tudo direcionado a segurança.

A empresa também incluiu novas opções de privacidade e tornou a publicidade direcionada mais transparente ao publicar um banco de dados pesquisável com informações sobre gastos de anunciantes. Resta esperar para saber se as mudanças serão suficientes para reconquistar o público afetado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo