Ter um ganhador do Oscar no elenco de uma série de TV é um belo atrativo para esta atração, desta maneira, o público irá prestar atenção neste produto, confiando que a tal série será um produto de qualidade. Al Pacino é um nome que impõe respeito em qualquer produção que venha a participar, porém, a presença do astro acaba ficando um pouco apagada na série "Hunters", do Amazon Prime Video.

A série é uma criação do estreante David Weil e tem também outro nome de peso, na produção executiva está o renomada Jordan Peele, que ficou conhecido pelos longa-metragens: "Corra!" (2017) e "Nós" (2019). Porém, as presenças de Pacino e Peele não são o suficientes para mudar a estrutura narrativa criada por Weil.

Por vezes o roteirista constrói uma história que se perde em uma trama demasiadamente mirabolante envolvendo o jovem Jonah (Logan Lerman), que não fazia muita coisa da vida a não ser vender drogas e andar com uma dupla de amigos nerds debatendo as motivações dos super-heróis e sendo surrado pelos valentões da rua.

Talvez esta passagem da série tenha sido algo proposital, uma maneira de capturar a atenção do público, já que a temática adolescente está em alta tanto no cinema quanto na Televisão. Mas, na obra de David Weil sai a década de 1980 de "Stranger Things" e "It" (2017) e entra o final da década de 1970, mais especificamente 1977, ano da estreia de "Star Wars" e sim, o filme é mencionado na série.

Do que se trata

Depois que sua avó morre, o jovem Jonah conhece Meyer Offerman (Al Pacino), o líder de um estranho grupo de pessoas que dedicam suas vidas a caçarem os apoiadores do regime de Adolf Hitler que estão escondidos nos Estados Unidos.

Logo no primeiro episódio, a produção já diz a que veio, com sua reconstituição de época impecável e alternância do núcleo juvenil do protagonista com cenas de flasbacks que mostram as atrocidades do Holocausto, e ainda são vistas cenas cômicas que remetem aos filmes de Quentin Tarantino.

A série provoca uma sensação de vertigem com várias referências, enquanto há o tema, que aparentemente seria o mote principal de ‘Hunters’, uma visão do que foi o Holocausto, ao mesmo tempo há uma reprodução da New York setentista suja e violenta, e há a apresentação do grupo de caçadores, que são estereótipos da estética dos anos 1970 de filmes de comédias com espiões.

A equipe é composta por: Harriet (Kate Mulvany), Joe (Louis Ozawa), Lonny (Josh Radnor), Roxy (Tiffany Boone), e um casal de idosos vividos por Carol Kane e Saul Rubinek.

O grupo comandado pelo personagem de Al Pacino tem que lidar com uma grande ameaça, porém a seriedade do tema é alternada com situações cômicas exageradas, que além das obras de Tarantino, podem lembrar também a – ótima – série "The Boys", também da Amazon. Desta maneira, a dramaturgia fica comprometida.

Paralelamante às aventuras do grupo, ainda há a agente do FBI Millie Morris (Jerrika Hinton), ela está investigando o assassinato de uma idosa que foi morta pela inalação de um gás venenoso em seu próprio chuveiro. A agente do FBI tem em seu encalço o assassino psicopata Travis (Greg Austin), que está a serviço dos apoiadores de Adolf Hitler.

Inegavelmente, "Hunters" sabe aonde quer chegar, mesmo que no meio do caminho acabe por superficializar sua trama com reviravoltas inverossímeis. O elenco de uma forma geral está bem e a presença de Al Pacino serve mais como um chamariz para a série ao interpretar um personagem que não apresenta nenhum desafio para o ator.

A produção é tecnicamente impecável, tem uma trama ágil, o que com certeza é um fator para uma série fazer sucesso nos tempos atuais, mas peca por fazer uma mistura de várias referências e acaba não dando a importância devida a um tema tão delicado quanto o Holocausto.

Siga a página Famosos
Seguir
Siga a página Televisão
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!