O termo “crise” deriva do grego “krisis”, que significa decisão ou julgamento. A partir disso, também obtemos termos como crítico (alguém que julga) e condição crítica (um estado médico de saúde vulnerável). Uma crise pode terminar bem ou mal, ou seja, o seu resultado é incerto.

A gravidade de nossa crise atual é indicada pela extrema incerteza sobre como ou quando ela terminará. As principais soluções no momento para combater o coronavírus sugerem que nossa única rota de saída garantida é o "distanciamento social" forçado até que uma vacina seja desenvolvida, porém, devido à demanda, esta vacina só poderá estar amplamente disponível em um ano, numa previsão otimista.

É difícil imaginar um conjunto de políticas que possam navegar com sucesso por um hiato tão longo e seria ainda mais difícil implementá-las.

Recessão econômica

Diante deste cenário é provável que viveremos uma profunda recessão global, uma quebra dos mercados de trabalho e a evaporação dos gastos dos consumidores. O terror que levou à ação do governo no outono de 2008 foi que o dinheiro deixaria de sair dos caixas eletrônicos, a menos que o sistema bancário fosse sustentado. Acontece que, se as pessoas param de sair de suas casas, o dinheiro também não circula. As pequenas empresas poderão demitir funcionário em grande velocidade, enquanto a Amazon tem anunciado mais 100.000 contratações nos EUA.

Políticas econômicas com bases advindas dos anos 70

A década que molda nossa imaginação contemporânea de crises é a de 1970, que exemplifica a maneira como uma ruptura histórica pode colocar a economia e a sociedade em um novo caminho. Esse período marcou o colapso do sistema pós-guerra de taxas de câmbio fixas, controles de capital e políticas salariais, que foram percebidas como tendo levado a uma inflação incontrolável.

Ele também criou as condições nas quais o novo direito de Margaret Thatcher e Ronald Reagan poderia ser resgatado, oferecendo um novo medicamento de redução de impostos, aumento da taxa de juros e ataques ao trabalho organizado.

A década de 1970 inspirou uma visão de crise como uma ampla mudança na ideologia, que manteve o controle sobre grande parte da esquerda desde então.

A crise envolveu uma contradição em grande parte interna ao modelo keynesiano de capitalismo (os salários eram mais elevados do que o crescimento da produtividade e a destruição de lucros) e uma revisão no estilo dominante de negócios: fora da manufatura pesada e rígida, com flexibilidade. produção que poderia responder de maneira mais ágil aos gostos dos consumidores.

Havia também uma importante dimensão espacial na crise da década de 1970. O capital financeiro abandonou suas fortalezas industriais icônicas no norte da Inglaterra e no meio oeste americano e (com a ajuda do estado) se dirigiu para os distritos financeiro e comercial de cidades globais lisas, como Londres e Nova York.

Por mais de 40 anos, após a posse de Thatcher pela primeira vez, muitas pessoas da esquerda esperaram impacientemente por um sucessor dos anos 1970, na esperança de que uma transição ideológica semelhante pudesse ocorrer ao contrário.

Mas, apesar da considerável agitação e sofrimento social, a crise financeira global de 2008 não provocou uma mudança fundamental na ortodoxia política. De fato, após a explosão inicial dos gastos públicos que resgataram os bancos, a visão de mundo Thatcherista de mercado livre se tornou ainda mais dominante na Grã-Bretanha e na zona do euro, agora parecem meras precursoras da grande crise que surgiu em Wuhan no final do ano passado.

Características da atual crise

Já podemos identificar algumas maneiras pelas quais 2020 e suas consequências diferirão da crise da década de 1970. Primeiro, enquanto sua transmissão seguiu os caminhos do capitalismo global - viagens de negócios, turismo, comércio -, sua causa raiz é externa à economia.

O grau de devastação que ele espalhará se deve a características muito básicas do capitalismo global que quase não existem perguntas de economistas - altos níveis de conectividade internacional e a dependência da maioria das pessoas no mercado de trabalho. Essas não são características de um paradigma de política econômica específica, na medida em que taxas de câmbio fixas e negociação coletiva eram fundamentais para o keynesianismo. Eles são características do capitalismo como tal.

Em seu aspecto espacial desta crise é diferente de uma crise típica do capitalismo. Exceto para os bunkers e ilhas onde os super-ricos estão escondidos, essa pandemia não discrimina com base na geografia econômica.

Pode acabar desvalorizando os centros urbanos, à medida que fica evidente que o trabalho baseado no conhecimento pode ser feito on-line. Mas, embora o vírus tenha chegado a momentos diferentes em lugares diferentes, uma característica marcante das últimas semanas tem sido a universalidade dos comportamentos, preocupações e medos humanos.

De fato, a disseminação de smartphones e da Internet gerou um novo público global de um tipo que nunca vimos antes, o coronavírus não é um espetáculo acontecendo em outro lugar: está acontecendo fora da sua janela, agora, e nesse sentido se encaixa perfeitamente com a era das mídias sociais onipresentes, onde todas as experiências são capturadas e compartilhadas.

A intensidade dessa experiência comum é um motivo sombrio para que a crise atual pareça mais próxima de uma guerra do que de uma recessão. No final, os formuladores de políticas governamentais serão julgados em termos de quantas milhares de pessoas morrem. Antes que esse acerto de contas seja alcançado, haverá vislumbres horríveis sob a superfície da civilização moderna, já que os serviços de saúde estão sobrecarregados e vidas salváveis ​​serão salvas. O imediatismo dessa ameaça visceral e mortal faz com que esse momento pareça menos com 2008 ou os anos 1970 e mais com a outra crise icônica em nossa imaginação coletiva --1945. Assuntos de vida ou morte ocasionam mudanças mais drásticas na política do que os indicadores econômicos, testemunhou no anúncio surpreendente de Rishi Sunak na Grã-Bretanha que o governo cobriria até 80% dos salários dos trabalhadores se as empresas os mantivessem em sua folha de pagamento e mais o pacote econômico de US$ 2 trilhões de dólares aprovado ontem pelo senado americano.

Essas medidas impensáveis ​​são subitamente possíveis --e esse senso de possibilidade pode não ser facilmente excluído novamente.

Em vez de ver isso como uma crise do capitalismo, pode ser melhor entendido como o tipo de evento mundial que permite novos começos econômicos e intelectuais.

Em 1755, a maior parte de Lisboa foi destruída por um terremoto e tsunami, matando até 75.000 pessoas. Sua economia foi devastada, mas foi reconstruída de acordo com diferentes linhas que alimentavam seus próprios produtores. Graças à menor dependência das exportações britânicas, a economia de Lisboa foi finalmente revitalizada.

Mas o terremoto também exerceu uma profunda influência filosófica, especialmente em Voltaire e Immanuel Kant.

Este último devorou ​​informações sobre o tema que circulava pela mídia internacional nascente, produzindo teorias sismológicas precoces sobre o que havia ocorrido. Prenunciando a revolução francesa, este foi um evento que teve implicações para toda a humanidade; a destruição em tal escala sacudiu suposições teológicas, aumentando a autoridade do pensamento científico. Se Deus tinha algum plano para a espécie humana, concluiu Kant em seu trabalho posterior, era para adquirirmos autonomia individual e coletiva, por meio de uma "sociedade cívica universal" baseada no exercício da razão secular.

Levará anos ou décadas para que o significado de 2020 seja totalmente compreendido. Mas podemos ter certeza de que, como uma crise autenticamente global, é também um ponto de virada global.

Há muita dor emocional, física e financeira no futuro imediato. Mas uma crise dessa escala nunca será verdadeiramente resolvida até que muitos dos fundamentos de nossa vida social e econômica tenham sido refeitos.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!